31 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

Alegre-se nos seus benefícios espirituais.  De acordo com o Salmo 103, seu “pacote de benefícios” inclui cinco bençãos específicas (vs 1-5).

Primeiramente, e de suma importância, Deus “perdoa todos os seus pecados”.  Não existe nada que tenha maior valor do que ter seus pecados removidos e afastados para longe “como o Oriente está longe do Ocidente” (Salmos 103:12).  Em segundo lugar, Ele “cura todas as suas doenças” (v 3).  A doença surgiu da fossa do pecado no Jardim de Eden;  portanto, se a raiz for cortada, o fruto (a doença) também se torna sem poder!  Em seguida, Ele “resgata a sua vida da sepultura” (v 4).  O poder de Satanás sobre sua vida está quebrado, pois assim como Deus resgatou Israel das mãos do Egito, Jesus pagou com Seu sangue para resgatar você.

Você é perdoado, curado, resgatado e também coroado com “bondade e compaixão” (Salmos 103:4).  O Santo Espírito veio descansar sobre a sua cabeça como o óleo ungido veio sobre, ou coroou, o sacerdote do Velho Testamento.  Finalmente, sua boca é satisfeita com “bens” (v 5 [ARC]).  Suas necessidades temporais todas serão supridas “de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus” (Filipenses 4:19).

Estes são os teus benefícios:  salvação, cura, libertação, unção e provisão.  Levante-se hoje e reivindique sua herança!

Leitura Diária

(Lamentações 4:1 – 5:22 | Salmos 103:1-22 | Provérbios 26:23 | Hebreus 2:1-18)

Como o ouro perdeu o brilho! Como o ouro fino ficou embaçado! As pedras sagradas estão espalhadas pelas esquinas de todas as ruas.
Como os preciosos filhos de Sião, que antes valiam seu peso em ouro, hoje são considerados como vasos de barro, obra das mãos de um oleiro!
Até os chacais oferecem o peito para amamentar os seus filhotes, mas o meu povo não tem mais coração; é como as avestruzes do deserto.
De tanta sede, a língua dos bebês gruda no céu da boca; as crianças imploram pelo pão, mas ninguém as atende.
Aqueles que costumavam comer comidas finas passam necessidades nas ruas. Aqueles que se adornavam de púrpura hoje estão prostrados sobre montes de cinza.
A punição do meu povo é maior que a de Sodoma, que foi destruída num instante sem que ninguém a socorresse.
Seus príncipes eram mais brilhantes que a neve e mais brancos do que o leite, tinham a pele mais rosada que rubis; sua aparência lembrava safiras.
Mas agora estão mais negros do que o carvão; não são reconhecidos nas ruas. Sua pele enrugou-se sobre os seus ossos; parecem agora madeira seca.
Os que foram mortos pela espada estão melhor do que os que morrem de fome, os quais, torturados pela fome, definham pela falta de produção das lavouras.
Com as próprias mãos, mulheres bondosas cozinharam os próprios filhos, que se tornaram a sua comida quando o meu povo foi destruído.
O Senhor deu vazão total à sua ira; derramou a sua grande fúria. Ele acendeu em Sião um fogo que consumiu os seus alicerces.
Os reis da terra e os povos de todo o mundo, não acreditavam que os inimigos e os adversários pudessem entrar pelas portas de Jerusalém.
Dentro da cidade foi derramado o sangue dos justos por causa do pecado dos seus profetas e das maldades dos seus sacerdotes.
Hoje eles tateiam pelas ruas como cegos, e tão sujos de sangue estão, que ninguém ousa tocar em suas vestes.
“Vocês estão imundos! “, o povo grita para eles. “Afastem-se! Não nos toquem! ” Quando eles fogem e ficam vagando, os povos das outras nações dizem: “Aqui eles não podem habitar”.
O próprio Senhor os espalhou; ele já não cuida deles. Ninguém honra os sacerdotes nem respeita os líderes.
Nossos olhos estão cansados de buscar ajuda em vão; de nossas torres buscávamos uma nação que não podia salvar-nos.
Cada passo nosso era vigiado, de forma que não podíamos caminhar por nossas ruas. Nosso fim estava próximo, nossos dias estavam contados; o nosso fim já havia chegado.
Nossos perseguidores eram mais velozes do que águias nos céus; perseguiam-nos por sobre as montanhas, ficavam de tocaia contra nós no deserto.
O ungido do Senhor, o próprio fôlego da nossa vida, foi capturado em suas armadilhas. E nós que pensávamos que sob a sua sombra viveríamos entre as nações!
Alegre-se e exulte, ó terra de Edom, você que vive na terra de Uz. Mas a você também será servido o cálice: você será embriagada e as suas roupas serão arrancadas.
Ó cidade de Sião, o seu castigo terminará; o Senhor não prolongará o seu exílio. Mas, ó terra de Edom, ele punirá o seu pecado e porá à mostra a sua perversidade.
Lamentações 4:1-22

Lembra-te, Senhor, do que tem acontecido conosco; olha e vê a nossa desgraça.
Nossa herança foi entregue aos estranhos, nossas casas, aos estrangeiros.
Somos órfãos de pai, nossas mães são viúvas.
Temos que comprar a água que bebemos; nossa lenha, só conseguimos pagando.
Aqueles que nos perseguem estão bem próximos; estamos exaustos e não temos como descansar.
Submetemo-nos ao Egito e à Assíria a fim de conseguirmos pão.
Nossos pais pecaram e já não existem mais, e nós levamos o castigo pelos seus pecados.
Escravos dominam sobre nós, e não há quem possa livrar-nos das suas mãos.
Conseguimos pão arriscando as nossas vidas enfrentando a espada do deserto.
Nossa pele está quente como um forno, febril de tanta fome.
As mulheres têm sido violentadas em Sião, e as virgens, nas cidades de Judá.
Os líderes foram pendurados pelas mãos; aos idosos não se mostra nenhum respeito.
Os jovens trabalham nos moinhos; os meninos cambaleiam sob o fardo de lenha.
Os líderes já não se reúnem junto às portas da cidade; os jovens cessaram a sua música.
Dos nossos corações fugiu a alegria; nossas danças se transformaram em lamentos.
A coroa caiu da nossa cabeça. Ai de nós, porque temos pecado!
E por esse motivo o nosso coração desfalece, e os nossos olhos perdem o brilho.
Tudo porque o monte Sião está deserto, e os chacais perambulam por ele.
Tu, Senhor, reinas para sempre; teu trono permanece de geração a geração.
Por que motivo então te esquecerias de nós? Por que haverias de desamparar-nos por tanto tempo?
Restaura-nos para ti, Senhor, para que voltemos; renova os nossos dias como os de antigamente,
a não ser que já nos tenhas rejeitado completamente e a tua ira contra nós não tenha limite!
Lamentações 5:1-22

Bendiga ao Senhor a minha alma! Bendiga ao Senhor todo o meu ser!
Bendiga ao Senhor a minha alma! Não esqueça de nenhuma de suas bênçãos!
É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças,
que resgata a sua vida da sepultura e o coroa de bondade e compaixão,
que enche de bens a sua existência, de modo que a sua juventude se renova como a águia.
O Senhor faz justiça e defende a causa dos oprimidos.
Ele manifestou os seus caminhos a Moisés, os seus feitos aos israelitas.
O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor.
Não acusa sem cessar nem fica ressentido para sempre;
não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniqüidades.
Pois como os céus se elevam acima da terra, assim é grande o seu amor para com os que o temem;
e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões.
Como um pai tem compaixão de seus filhos, assim o Senhor tem compaixão dos que o temem;
pois ele sabe do que somos formados; lembra-se de que somos pó.
A vida do homem é semelhante à relva; ele floresce como a flor do campo,
que se vai quando sopra o vento e nem se sabe mais o lugar que ocupava.
Mas o amor leal do Senhor, o seu amor eterno está com os que o temem, e a sua justiça com os filhos dos seus filhos,
com os que guardam a sua aliança e se lembram de obedecer aos seus preceitos.
O Senhor estabeleceu o seu trono nos céus, e como rei domina sobre tudo o que existe.
Bendigam ao Senhor, vocês, seus anjos poderosos, que obedecem à sua palavra.
Bendigam ao Senhor, todos os seus exércitos, vocês, seus servos, que cumprem a sua vontade.
Bendigam ao Senhor, todas as suas obras em todos os lugares do seu domínio. Bendiga ao Senhor a minha alma!
Salmos 103:1-22

Como uma camada de esmalte sobre um vaso de barro, os lábios amistosos podem ocultar um coração mau.
Provérbios 26:23

Por isso é preciso que prestemos maior atenção ao que temos ouvido, para que jamais nos desviemos.
Porque se a mensagem transmitida por anjos provou a sua firmeza, e toda transgressão e desobediência recebeu a devida punição,
como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? Esta salvação, primeiramente anunciada pelo Senhor, foi-nos confirmada pelos que a ouviram.
Deus também deu testemunho dela por meio de sinais, maravilhas, diversos milagres e dons do Espírito Santo distribuídos de acordo com a sua vontade.
Não foi a anjos que ele sujeitou o mundo que há de vir, a respeito do qual estamos falando,
mas alguém em certo lugar testemunhou, dizendo: “Que é o homem, para que com ele te importes? E o filho do homem, para que com ele te preocupes?
Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos e o coroaste de glória e de honra;
tudo sujeitaste debaixo dos seus pés”. Ao lhe sujeitar todas as coisas, nada deixou que não lhe estivesse sujeito. Agora, porém, ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas.
Vemos, todavia, aquele que por um pouco foi feito menor do que os anjos, Jesus, coroado de honra e glória por ter sofrido a morte, para que, pela graça de Deus, em favor de todos, experimentasse a morte.
Ao levar muitos filhos à glória, convinha que Deus, por causa de quem e por meio de quem tudo existe, tornasse perfeito, mediante o sofrimento, o autor da salvação deles.
Ora, tanto o que santifica quanto os que são santificados provêm de um só. Por isso Jesus não se envergonha de chamá-los irmãos.
Ele diz: “Proclamarei o teu nome a meus irmãos; na assembléia te louvarei”.
E também: “Nele porei a minha confiança”. Novamente ele diz: “Aqui estou eu com os filhos que Deus me deu”.
Portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o diabo,
e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte.
Pois é claro que não é a anjos que ele ajuda, mas aos descendentes de Abraão.
Por essa razão era necessário que ele se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel com relação a Deus e fazer propiciação pelos pecados do povo.
Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados.
Hebreus 2:1-18

 

30 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

Como é fácil durante tempos de cansaço e amargura esquecer a fidelidade do Senhor, não é?  No seu momento mais desesperado Jeremias lembrou que as “misericórdias [de Deus] são inesgotáveis” (Lamentações 3:22).

“Porque não é do seu agrado trazer aflição e tristeza aos filhos dos homens” (Lamentações 3:33) podemos ter certeza que Ele nos ama e que Ele não é o autor de nossos problemas.  Quer ser um dia ensolarado ou um dia nuvoso, Suas compaixões “renovam-se cada manhã” (v 23).  Grande é a Sua fidelidade!

Nossa obrigação é de colocar fim à nossa agitação e nossos caprichos.  Precisamos aprender a “esperar tranquilos pela salvação do Senhor” (Lamentações 3:26), nunca duvidando que Ele nos ama e nos libertará.  Paulo e Davi, ambos descreveram a natureza do Senhor: “Mas tu permaneces o mesmo, e os teus dias jamais terão fim” (Hebreus 1:12, Salmos 102:27).  Tudo pode mudar ao nosso redor, até mesmo o próprio mundo, mas Deus nunca muda.  Ele se “levantará e terá misericórdia de Sião pois … o tempo certo é chegado” (Salmos 102:13).

Você tem amargura contra Deus?  Aguente firme, e lembre que Ele sempre estará presente para você agarrar Nele.

Leitura Diária

(Lamentações 3:1- 3:66 | Salmos 102:1-28 | Provérbios 26:21-22 | Hebreus 1:1-14)

Eu sou o homem que viu a aflição trazida pela vara da sua ira.
Ele me impeliu e me fez andar na escuridão, e não na luz;
sim, ele voltou sua mão contra mim vez após vez, o tempo todo.
Fez que a minha pele e a minha carne envelhecessem e quebrou os meus ossos.
Ele me sitiou e me cercou de amargura e de pesar.
Fez-me habitar na escuridão como os que há muito morreram.
Cercou-me de muros, e não posso escapar; atou-me a pesadas correntes.
Mesmo quando chamo ou grito por socorro, ele rejeita a minha oração.
Ele impediu o meu caminho com blocos de pedra; e fez tortuosas as minhas sendas.
Como um urso à espreita, como um leão escondido,
arrancou-me do caminho e despedaçou-me, deixando-me abandonado.
Preparou o seu arco e me fez alvo de suas flechas.
Atingiu o meu coração com flechas de sua aljava.
Tornei-me motivo de riso de todo o meu povo; nas suas canções eles zombam de mim o tempo todo.
Fez-me comer ervas amargas e fartou-me de fel.
Quebrou os meus dentes com pedras; e pisoteou-me no pó.
Tirou-me a paz; esqueci-me do que significa prosperidade.
Por isso digo: “Meu esplendor já se foi, bem como tudo o que eu esperava do Senhor”.
Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar.
Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim.
Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança:
Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis.
Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade!
Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança.
O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam;
é bom esperar tranqüilo pela salvação do Senhor.
É bom que o homem suporte o jugo enquanto é jovem.
Leve-o sozinho e em silêncio, porque o Senhor o pôs sobre ele.
Ponha o seu rosto no pó; talvez ainda haja esperança.
Ofereça o rosto a quem o quer ferir, e engula a desonra.
Porque o Senhor não o desprezará para sempre.
Embora ele traga tristeza, mostrará compaixão, tão grande é o seu amor infalível.
Porque não é do seu agrado trazer aflição e tristeza aos filhos dos homens.
Esmagar com os pés todos os prisioneiros da terra,
negar a alguém os seus direitos, enfrentando o Altíssimo,
impedir a alguém o acesso à justiça; não veria o Senhor tais coisas?
Quem poderá falar e fazer acontecer, se o Senhor não o tiver decretado?
Não é da boca do Altíssimo que vêm tanto as desgraças como as bênçãos?
Como pode um homem reclamar quando é punido por seus pecados?
Examinemos e submetamos à prova os nossos caminhos, e depois voltemos ao Senhor.
Levantemos o coração e as mãos para Deus, que está nos céus, e digamos:
“Pecamos e nos rebelamos, e tu não nos perdoaste.
Tu te cobriste de ira e nos perseguiste, massacraste-nos sem piedade.
Tu te escondeste atrás de uma nuvem para que nenhuma oração chegasse a ti.
Tu nos tornaste escória e refugo entre as nações.
Todos os nossos inimigos escancaram a boca contra nós.
Sofremos terror e ciladas, ruína e destruição”.
Rios de lágrimas correm dos meus ohos porque o meu povo foi destruído.
Meus olhos choram sem parar, sem nenhum descanso,
até que o Senhor contemple dos céus e veja.
O que eu enxergo enche-me a alma de tristeza, de pena de todas as mulheres da minha cidade.
Aqueles que, sem motivo, eram meus inimigos caçaram-me como a um passarinho.
Procuraram fazer minha vida acabar na cova e me jogaram pedras;
as águas me encobriram a cabeça, e cheguei a pensar que o fim de tudo tinha chegado.
Clamei pelo teu nome, Senhor, das profundezas da cova.
Tu ouviste o meu clamor: “Não feches os teus ouvidos aos meus gritos de socorro”.
Tu te aproximaste quando a ti clamei, e disseste: “Não tenha medo”.
Senhor, tu assumiste a minha causa; e redimiste a minha vida.
Tu tens visto, Senhor, o mal que me tem sido feito. Toma a teu cargo a minha causa!
Tu viste como é terrível a vingança deles, todas as suas ciladas contra mim.
Senhor, tu ouviste os seus insultos, todas as suas ciladas contra mim,
aquilo que os meus inimigos sussurram e murmuram o tempo todo contra mim.
Olha para eles! Sentados ou em pé, zombam de mim com as suas canções.
Dá-lhes o que merecem, Senhor, conforme o que as suas mãos têm feito.
Coloca um véu sobre os seus corações e esteja a tua maldição sobre eles.
Persegue-os com fúria e elimina-os de debaixo dos teus céus, ó Senhor.
Lamentações 3:1-66

Ouve a minha oração, Senhor! Chegue a ti o meu grito de socorro!
Não escondas de mim o teu rosto, quando estou atribulado. Inclina para mim os teus ouvidos; quando eu clamar, responde-me depressa!
Esvaem-se os meus dias como fumaça; meus ossos queimam como brasas vivas.
Como a relva ressequida está o meu coração; esqueço até de comer!
De tanto gemer estou reduzido a pele e osso.
Sou como a coruja do deserto, como uma coruja entre as ruínas.
Não consigo dormir; tornei-me como um pássaro solitário no telhado.
Os meus inimigos zombam de mim o tempo todo; os que me insultam usam o meu nome para lançar maldições.
Cinzas são a minha comida, e com lágrimas misturo o que bebo,
por causa da tua indignação e da tua ira, pois me rejeitaste e me expulsaste para longe de ti.
Meus dias são como sombras crescentes; sou como a relva que vai murchando.
Tu, porém, Senhor, no trono reinarás para sempre; o teu nome será lembrado de geração em geração.
Tu te levantarás e terás misericórdia de Sião, pois é hora de lhe mostrares compaixão; o tempo certo é chegado.
Pois as suas pedras são amadas pelos teus servos, as suas ruínas os enchem de compaixão.
Então as nações temerão o nome do Senhor, e todos os reis da terra a sua glória.
Porque o Senhor reconstruirá Sião e se manifestará na glória que ele tem.
Responderá à oração dos desamparados; as suas súplicas não desprezará.
Escreva-se isto para as futuras gerações, e um povo que ainda será criado louvará o Senhor, proclamando:
“Do seu santuário nas alturas o Senhor olhou; dos céus observou a terra,
para ouvir os gemidos dos prisioneiros e libertar os condenados à morte”.
Assim o nome do Senhor será anunciado em Sião e o seu louvor, em Jerusalém,
quando os povos e os reinos se reunirem para adorar ao Senhor.
No meio da minha vida ele me abateu com sua força; abreviou os meus dias.
Então pedi: “Ó meu Deus, não me leves no meio dos meus dias. Os teus dias duram por todas as gerações!
No princípio firmaste os fundamentos da terra, e os céus são obras das tuas mãos.
Eles perecerão, mas tu permanecerás; envelhecerão como vestimentas. Como roupas tu os trocarás e serão jogados fora.
Mas tu permaneces o mesmo, e os teus dias jamais terão fim.
Os filhos dos teus servos terão uma habitação; os seus descendentes serão estabelecidos na tua presença”.
Salmos 102:1-28

O que o carvão é para as brasas e a lenha para a fogueira, o amigo de brigas é para atiçar discórdias.
As palavras do caluniador são como petiscos deliciosos; descem saborosos até o íntimo.
Provérbios 26:21,22

Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas,
mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo.
O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser, sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, ele se assentou à direita da Majestade nas alturas,
tornando-se tão superior aos anjos quanto o nome que herdou é superior ao deles.
Pois a qual dos anjos Deus alguma vez disse: “Tu és meu Filho; eu hoje te gerei”? E outra vez: “Eu serei seu Pai, e ele será meu Filho”?
E ainda, quando Deus introduz o Primogênito no mundo, diz: “Todos os anjos de Deus o adorem”.
Quanto aos anjos, ele diz: “Ele faz dos seus anjos ventos, e dos seus servos, clarões reluzentes”.
Mas a respeito do Filho, diz: “O teu trono, ó Deus, subsiste para todo o sempre; cetro de eqüidade é o cetro do teu Reino.
Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, escolheu-te dentre os teus companheiros, ungindo-te com óleo de alegria”.
E também diz: “No princípio, Senhor, firmaste os fundamentos da terra, e os céus são obras das tuas mãos.
Eles perecerão, mas tu permanecerás; envelhecerão como vestimentas.
Tu os enrolarás como um manto, como roupas eles serão trocados. Mas tu permaneces o mesmo, e os teus dias jamais terão fim”.
A qual dos anjos Deus alguma vez disse: “Senta-te à minha direita, até que eu faça dos teus inimigos um estrado para os teus pés”?
Os anjos não são, todos eles, espíritos ministradores enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação?
Hebreus 1:1-14

29 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

O que olhamos dá forma a nossas vidas.  Davi disse: “Não porei coisa má diante dos meus olhos” (Salmos 101:3 [ARC]).  Nossas mentes são bombardeadas diariamente com imagens do “vil”.  A partir da televisão, revistas, filmes e até mesmo as vidas diárias de outras pessoas, somos confrontados com o retrato constante de tudo que é perverso, orgulhoso, enganoso, profano e calunioso.

O que podemos fazer?  Podemos fazer o que Davi fez e nos tornar totalmente intolerantes de toda sujeira.  Toda vez que algo do inimigo se colocava perante dos olhos dele, imediatamente ele o expulsava da mente.  Não podemos aceitar meditar passivamente nas coisas que são impuras e sem valor.  Nossas mentes tem a tendência de ficar “imaginando” e “fantasiando” sobre essas coisas e acabam se tornando como elas.

Paulo disse: “destruindo os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo” (2 Coríntios 10:5).  Davi colocou o assunto claramente ao dizer: “não quero envolver-me com o mal” (Salmos 101:4).

Analize o seu ambiente, faça uma “faxina espiritual” e não permita que o mal habite em sua casa (Salmos 101:7).  Sua mente clareará, a tentação sairá e seus olhos se fixarão nos “fiéis da terra” (Salmos 101:6)!

Leitura Diária

(Lamentações 1:1 – 2:22 | Salmos 101:1-8 | Provérbios 26:20 | Filemom 1:1-25)

Como está deserta a cidade, antes tão cheia de gente! Como se parece com uma viúva, a que antes era grandiosa entre as nações! A que era a princesa das províncias agora tornou-se uma escrava.
Chora amargamente à noite, as lágrimas rolam por seu rosto. De todos os seus amantes nenhum a consola. Todos os seus amigos a traíram; tornaram-se seus inimigos.
Em aflição e sob trabalhos forçados, Judá foi levado ao exílio. Vive entre as nações sem encontrar repouso. Todos os que a perseguiram a capturaram em meio ao seu desespero.
Os caminhos para Sião pranteiam, porque ninguém comparece às suas festas fixas. Todas as suas portas estão desertas, seus sacerdotes gemem, suas moças se entristecem, e ela se encontra em angústia profunda.
Seus adversários são os seus chefes; seus inimigos estão tranqüilos. O Senhor lhe trouxe tristeza por causa dos seus muitos pecados. Seus filhos foram levados ao exílio, prisioneiros dos adversários.
Todo o esplendor fugiu da cidade de Sião. Seus líderes são como corças que não encontram pastagem; sem forças fugiram diante do perseguidor.
Nos dias de sua aflição e de seu desnorteio Jerusalém se lembra de todos os tesouros que lhe pertenciam nos tempos passados. Quando o seu povo caiu nas mãos do inimigo, ninguém veio ajudá-la. Seus inimigos olharam para ela e zombaram da sua queda.
Jerusalém cometeu graves pecados; por isso tornou-se impura. Todos os que a honravam agora a desprezam, porque viram a sua nudez; ela mesma geme e se desvia deles.
Sua impureza prende-se às suas saias; ela não esperava que chegaria o seu fim. Sua queda foi surpreendente; ninguém veio consolá-la. “Olha, Senhor, para a minha aflição, pois o inimigo triunfou. ”
O adversário saqueia todos os seus tesouros; ela viu nações pagãs entrarem em seu santuário, sendo que tu as tinhas proibido de participar das tuas assembléias.
Todo o seu povo se lamenta enquanto vai em busca de pão; e para sobreviverem, trocam os tesouros por comida. “Olha, Senhor, e considera, pois tenho sido desprezada. ”
“Vocês não se comovem, todos vocês que passam por aqui? Olhem ao redor e vejam se há sofrimento maior do que o que me foi imposto e que o Senhor trouxe sobre mim no dia em que se acendeu a sua ira.
Do alto ele fez cair fogo sobre os meus ossos. Armou uma rede para os meus pés e me derrubou de costas. Deixou-me desolada, desfalecida o dia todo.
Os meus pecados foram amarrados num jugo; suas mãos os ataram todos juntos, e os colocaram em meu pescoço; o Senhor abateu a minha força. Ele me entregou àqueles que não consigo vencer.
O Senhor dispersou todos os guerreiros que me apoiavam; convocou um exército contra mim para destruir os meus jovens. O Senhor pisou no seu lagar a virgem, a cidade de Judá.
É por isso que eu choro; as lágrimas inundam os meus olhos. Ninguém está por perto para consolar-me, não há ninguém que restaure o meu espírito. Meus filhos estão desamparados porque o inimigo prevaleceu. ”
Sião estende as mãos suplicantes mas não há quem a console. O Senhor decretou que os vizinhos de Jacó se tornem seus adversários; Jerusalém tornou-se coisa imunda entre eles.
“O Senhor é justo, mas eu me rebelei contra a sua ordem. Ouçam, todos os povos; olhem para o meu sofrimento. Meus jovens e minhas moças foram para o exílio.
Chamei os meus aliados, mas eles me traíram. Meus sacerdotes e meus líderes pereceram na cidade, enquanto procuravam comida para poderem sobreviver.
Veja, Senhor, como estou angustiada! Estou atormentada no íntimo, e no meu coração me perturbo pois tenho sido muito rebelde. Lá fora, a espada a todos consome; dentro impera a morte.
Os meus lamentos têm sido ouvidos, mas não há ninguém que me console. Todos os meus inimigos sabem da minha agonia; eles se alegram com o que fizeste. Quem dera trouxesses o dia que anunciaste para que eles ficassem como eu.
Que toda a maldade deles seja conhecida diante de ti; faze com eles o que fizeste comigo por causa de todos os meus pecados. Os meus gemidos são muitos e o meu coração desfalece. ”
Lamentações 1:1-22

O Senhor cobriu a cidade de Sião com a nuvem da sua ira! Lançou por terra o esplendor de Israel, que se elevava para os céus; não se lembrou do estrado dos seus pés no dia da sua ira.
Sem piedade o Senhor devorou todas as habitações de Jacó; em sua ira destruiu as fortalezas da filha de Judá. Derrubou ao chão e desonrou o seu reino e os seus líderes.
No acender da sua ira cortou todo o poder de Israel. Retirou a sua mão direita diante da aproximação do inimigo. Queimou Jacó como um fogo ardente que consome tudo ao redor.
Como um inimigo, preparou o seu arco; como um adversário, a sua mão direita está pronta. Ele massacrou tudo o que era agradável contemplar; derramou sua ira como fogo sobre a tenda da cidade de Sião.
O Senhor é como um inimigo; ele tem devorado Israel. Tem devorado todos os seus palácios e destruído as suas fortalezas. Tem feito multiplicar os prantos e as lamentações da filha de Judá.
Ele destroçou a sua morada como se fosse um simples jardim; destruiu o seu local de reuniões. O Senhor fez esquecidas em Sião suas festas fixas e seus sábados; em seu grande furor rejeitou o rei e o sacerdote.
O Senhor rejeitou o seu altar e abandonou o seu santuário. Entregou aos inimigos os muros dos seus palácios, e eles deram gritos na casa do Senhor, como fazíamos nos dias de festa.
O Senhor está decidido a derrubar os muros da cidade de Sião. Esticou uma trena e não poupou a sua mão destruidora. Fez com que os muros e as paredes se lamentassem; juntos eles se desmoronaram.
Suas portas caíram por terra; suas trancas ele quebrou e destruiu. O seu rei e os seus líderes foram exilados para diferentes nações, e a lei já não existe; seus profetas já não recebem visões do Senhor.
Os líderes da cidade de Sião sentam-se no chão em silêncio; despejam pó sobre a cabeça e usam vestes de lamento. As moças de Jerusalém inclinam a cabeça até o chão.
Meus olhos estão cansados de chorar, minha alma está atormentada, meu coração se derrama, porque o meu povo está destruído, porque crianças e bebês desmaiam pelas ruas da cidade.
“Eles clamam às suas mães: Onde estão o pão e o vinho? ” Ao mesmo tempo em que desmaiam pelas ruas da cidade, como os feridos, e suas vidas se desvanecem nos braços de suas mães.
Que posso dizer a seu favor? Com que posso compará-la, ó cidade de Jerusalém? Com que posso assemelhá-la, a fim de trazer-lhe consolo, ó virgem, ó cidade de Sião? Sua ferida é tão profunda quanto o oceano; quem pode curá-la?
As visões dos seus profetas eram falsas e inúteis; eles não expuseram o seu pecado para evitar o seu cativeiro. As mensagens que eles lhe deram eram falsas e enganosas.
Todos os que cruzam o seu caminho batem palmas; eles zombam e meneiam a cabeça diante da cidade de Jerusalém: “É esta a cidade que era chamada, a perfeição da beleza, a alegria de toda a terra? ”
Todos os seus inimigos escancaram a boca contra você; eles zombam, rangem os dentes e dizem: “Nós a devoramos. Este é o dia que esperávamos; pois não é que vivemos até vê-lo chegar? ”
O Senhor fez o que planejou; cumpriu a sua palavra, que há muito tinha decretado. Derrubou tudo sem piedade, permitiu que o inimigo zombasse de você, exaltou o poder dos seus adversários.
O coração do povo clama ao Senhor. Ó muro da cidade de Sião, corram como um rio as suas lágrimas dia e noite; não se permita nenhum descanso nem dê repouso à menina dos seus olhos.
Levante-se, grite no meio da noite, quando começam as vigílias noturnas; derrame o seu coração como água na presença do Senhor. Levante para ele as mãos em favor da vida de seus filhos, que desmaiam de fome nas esquinas de todas as ruas.
“Olha, Senhor, e considera: A quem o Senhor tratou dessa maneira? Deverão as mulheres comer os próprios filhos, as crianças de quem elas cuidaram? Deverão os profetas e os sacerdotes ser assassinados no santuário do Senhor?
Jovens e velhos espalham-se em meio ao pó das ruas; meus jovens e minhas virgens caíram mortos à espada. Tu os sacrificaste no dia da tua ira; tu os mataste sem piedade.
Como se faz convocação para um dia de festa, convocaste contra mim terrores por todos os lados. No dia da ira do Senhor, ninguém escapou nem sobreviveu; aqueles dos quais eu cuidava e os quais eu fiz crescer, o meu inimigo destruiu. ”
Lamentações 2:1-22

Cantarei a lealdade e a justiça. A ti, Senhor, cantarei louvores!
Seguirei o caminho da integridade; quando virás ao meu encontro? Em minha casa viverei de coração íntegro.
Repudiarei todo mal. Odeio a conduta dos infiéis; jamais me dominará!
Longe estou dos perversos de coração; não quero envolver-me com o mal.
Farei calar ao que difama o próximo às ocultas. Não vou tolerar o homem de olhos arrogantes e de coração orgulhoso.
Meus olhos aprovam os fiéis da terra, e eles habitarão comigo. Somente quem tem vida íntegra me servirá.
Quem pratica a fraude não habitará no meu santuário; o mentiroso não permanecerá na minha presença.
Cada manhã fiz calar todos os ímpios desta terra; eliminei todos os malfeitores da cidade do Senhor.
Salmos 101:1-8

Sem lenha a fogueira se apaga; sem o caluniador morre a contenda.
Provérbios 26:20

Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, a você, Filemom, nosso amado cooperador,
à irmã Áfia, a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que se reúne com você em sua casa.
A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.
Sempre dou graças a meu Deus, lembrando-me de você nas minhas orações,
porque ouço falar da sua fé no Senhor Jesus e do seu amor por todos os santos.
Oro para que a comunhão que procede da sua fé seja eficaz no pleno conhecimento de todo o bem que temos em Cristo.
Seu amor me tem dado grande alegria e consolação, porque você, irmão, tem reanimado o coração dos santos.
Por isso, mesmo tendo em Cristo plena liberdade para mandar que você cumpra o seu dever,
prefiro fazer um apelo com base no amor. Eu, Paulo, já velho, e agora também prisioneiro de Cristo Jesus,
apelo em favor de meu filho Onésimo, que gerei enquanto estava preso.
Ele antes lhe era inútil, mas agora é útil, tanto para você quanto para mim.
Mando-o de volta a você, como se fosse o meu próprio coração.
Gostaria de mantê-lo comigo para que me ajudasse em seu lugar enquanto estou preso por causa do evangelho.
Mas não quis fazer nada sem a sua permissão, para que qualquer favor que você fizer seja espontâneo, e não forçado.
Talvez ele tenha sido separado de você por algum tempo, para que você o tivesse de volta para sempre,
não mais como escravo, mas, acima de escravo, como irmão amado. Para mim ele é um irmão muito amado, e ainda mais para você, tanto como pessoa quanto como cristão.
Assim, se você me considera companheiro na fé, receba-o como se estivesse recebendo a mim.
Se ele o prejudicou em algo ou lhe deve alguma coisa, ponha na minha conta.
Eu, Paulo, escrevo de próprio punho: Eu pagarei — para não dizer que você me deve a sua própria pessoa.
Sim, irmão, eu gostaria de receber de você algum benefício por estarmos no Senhor. Reanime o meu coração em Cristo!
Escrevo-lhe certo de que você me obedecerá, sabendo que fará ainda mais do lhe que peço.
Além disso, prepare-me um aposento, porque, graças às suas orações, espero poder ser restituído a vocês.
Epafras, meu companheiro de prisão por causa de Cristo Jesus, envia-lhe saudações,
assim como também Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores.
A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o espírito de todos vocês.
Filemom 1:1-25

 

28 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

Deus é quem nos faz bom.  Paulo admoestou Tito a estar “sempre pronto a fazer tudo o que é bom” (Tito 3:1).  Mesmo antes de nos tornar Cristãos pensamos que somos “bons”.  Ao contrário, “houve um tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres” (v 3).  A “bondade” de Deus (v 4) veio e nos salvou, lavou e renovou no Espírito Santo.  A bondade Dele nos fez “bom”.  Agora, nossas vidas “se empenham na prática de boas obras” (v 8).

Essa bondade deve estar sujeita “aos governantes e às autoridades, … sempre prontos a fazer tudo o que é bom, não caluniar ninguém, ser pacíficos, amáveis e mostrando sempre mansidão para com todos os homens” (Tito 3:1,2).  A medida que seguimos estas diretrizes, estaremos nos “[dedicando] à prática de boas obras, a fim de que [possamos suprir] as necessidades diárias e não [sermos] improdutivos” (v 14).

O tema central do Salmo 100:5 é “O Senhor é bom e o seu amor leal é eterno”.  Vamos curtir a bondade Dele hoje e alegrar-nos que Ele nos transformou em pessoas boas.  Deus é bom em todo tempo, e assim deveríamos ser também!

 

Leitura Diária

(Jeremias 51:54 – 52:34 | Salmos 100:1-5 | Provérbios 26:18-19 | Tito 3:1-15)

“Vem da Babilônia o som de um grito, o som de grande destruição vem da terra dos babilônios.
O Senhor destruirá a Babilônia; ele silenciará o seu grande ruído. Ondas de inimigos avançarão como grandes águas; o rugir de suas vozes ressoará.
Um destruidor virá contra a Babilônia; seus guerreiros serão capturados, e seus arcos serão quebrados. Pois o Senhor é um Deus de retribuição; ele retribuirá plenamente.
Embebedarei os seus líderes e os seus sábios; os seus governadores, os seus oficiais e os seus guerreiros. Eles dormirão para sempre e jamais acordarão”, declara o Rei, cujo nome é Senhor dos Exércitos.
Assim diz o Senhor dos Exércitos: “A larga muralha da Babilônia será desmantelada e suas altas portas serão incendiadas. Os povos se exaurem por nada, o trabalho das nações não passa de combustível para as chamas”.
Esta é a mensagem que Jeremias deu ao responsável pelo acampamento Seraías, filho de Nerias, filho de Maaséias, quando ele foi à Babilônia com o rei Zedequias de Judá no quarto ano do seu reinado.
Jeremias escreveu num rolo todas as desgraças que sobreviriam à Babilônia, tudo que fora registrado acerca da Babilônia.
Ele disse a Seraías: “Quando você chegar à Babilônia, tenha o cuidado de ler todas estas palavras em voz alta.
Então diga: ‘Ó Senhor, disseste que destruirás este lugar, para que nem homem nem animal viva nele, pois ficará em ruínas para sempre’.
Quando você terminar de ler este rolo, amarre nele uma pedra e atire-o no Eufrates.
Então diga: ‘Assim Babilônia afundará para não mais se erguer, por causa da desgraça que trarei sobre ela. E seu povo cairá’ “. Aqui terminam as palavras de Jeremias.
Jeremias 51:54-64

Zedequias tinha vinte e um anos quando se tornou rei, e reinou onze anos em Jerusalém. O nome de sua mãe era Hamutal, filha de Jeremias, de Libna.
Ele fez o que o Senhor reprova, assim como fez Jeoaquim.
A ira do Senhor tem sido provocada em Jerusalém e em Judá de tal forma que tenho que tirá-los da minha frente. Zedequias se rebelou contra o rei da Babilônia.
Então, no nono ano do reinado de Zedequias, no décimo mês, Nabucodonosor, rei da Babilônia, marchou contra Jerusalém com todo o seu exército. Acamparam fora da cidade e construíram torres de assalto ao redor dela.
A cidade ficou sob cerco até o décimo primeiro ano do rei Zedequias.
Ao chegar o nono dia do quarto mês a fome era tão severa que não havia comida para o povo.
Então o muro da cidade foi rompido. O rei e todos os soldados fugiram e saíram da cidade, à noite, na direção do jardim real, pela porta entre os dois muros, embora os babilônios estivessem cercando a cidade. Foram para a Arabá,
mas os babilônios perseguiram o rei Zedequias e o alcançaram na planície de Jericó. Todos os seus soldados se separaram dele e se dispersaram,
e ele foi capturado. Ele foi levado ao rei da Babilônia em Ribla, na terra de Hamate, que o sentenciou.
Em Ribla, o rei da Babilônia mandou executar os filhos de Zedequias diante de seus olhos, e também matou todos os nobres de Judá.
Então mandou furar os olhos de Zedequias e prendê-lo com correntes de bronze e o levou para a Babilônia, onde o manteve na prisão até o dia de sua morte.
No décimo dia do quinto mês, no décimo nono ano de Nabucodonosor, rei da Babilônia, Nebuzaradã, comandante da guarda imperial, que servia o rei da Babilônia, veio a Jerusalém.
Ele incendiou o templo do Senhor, o palácio real e todas as casas de Jerusalém. Todo o edifício importante foi incendiado por ele.
Todo o exército babilônio, sob o comandante da guarda imperial, derrubou todos os muros em torno de Jerusalém.
Nebuzaradã, o comandante da guarda imperial, deportou para a Babilônia alguns dos mais pobres e o povo que restou na cidade, juntamente com o restante dos artesãos e aqueles que tinham se rendido ao rei da Babilônia.
Mas Nebuzaradã deixou para trás o restante dos mais pobres da terra para trabalhar nas vinhas e campos.
Os babilônios despedaçaram as colunas de bronze, os estrados móveis e o mar de bronze que ficavam no templo do Senhor e levaram todo o bronze para a Babilônia.
Também levaram embora as panelas, pás, tesouras de pavio, bacias de aspersão, tigelas e todos os utensílios de bronze usados no serviço do templo.
O comandante da guarda imperial levou embora as pias, os incensários, as bacias de aspersão, as panelas, os candeeiros, as tigelas e as bacias usadas para as ofertas derramadas, tudo que era feito de ouro puro ou de prata.
O bronze tirado das duas colunas, o mar e os doze touros de bronze debaixo dele, e os estrados móveis, que o rei Salomão fizera para o templo do Senhor, eram mais do que se podia pesar.
Cada uma das colunas tinha oito metros e dez centímetros de altura e cinco metros e quarenta centímetros de circunferência; cada uma tinha quadro dedos de espessura e era oca.
O capitel de bronze no alto de uma coluna tinha dois metros e vinte e cinco centímetros de altura e era ornamentado com um trabalho entrelaçado e romãs de bronze em volta, tudo de bronze. A outra coluna, com suas romãs, era igual.
Havia noventa e seis romãs nos lados; o número total de romãs acima do trabalho entrelaçado ao redor era de cem.
O comandante da guarda tomou como prisioneiros o sumo sacerdote Seraías, o sacerdote adjunto Sofonias e os três guardas das portas.
Dos que ainda estavam na cidade, tomou o oficial encarregado dos homens de combate e sete conselheiros reais. Também tomou o secretário que era o oficial maior encarregado do alistamento do povo da terra e sessenta de seus homens que foram encontrados na cidade.
O comandante Nebuzaradã tomou todos eles e os levou ao rei da Babilônia em Ribla.
Ali em Ribla, na terra de Hamate, o rei fez com que fossem executados. Assim Judá foi para o cativeiro, longe de sua terra.
Este é o número dos que Nebuzaradã levou para o exílio: no sétimo ano, 3. 023 judeus;
no décimo oitavo ano de Nabucodonosor, 832 de Jerusalém;
em seu vigésimo terceiro ano, 745 judeus levados ao exílio pelo comandante da guarda imperial Nebuzaradã. Foram ao todo 4. 600 judeus.
No ano trinta e sete do exílio do rei Joaquim de Judá, no ano em que Evil-Merodaque tornou-se rei de Babilônia, ele libertou o rei Joaquim de Judá da prisão no dia vinte e cinco do décimo segundo mês.
Ele falou bondosamente com ele e deu-lhe um assento de honra mais elevado do que os dos outros reis que estavam com ele na Babilônia.
Desse modo Joaquim tirou as roupas da prisão e pelo resto da vida comeu à mesa do rei.
Dia após dia o rei da Babilônia deu a Joaquim uma pensão diária enquanto ele viveu, até o dia de sua morte.
Jeremias 52:1-34

Aclamem o Senhor todos os habitantes da terra!
Prestem culto ao Senhor com alegria; entrem na sua presença com cânticos alegres.
Reconheçam que ele é o nosso Deus. Ele nos fez e somos dele: somos o seu povo, e rebanho do seu pastoreio.
Entrem por suas portas com ações de graças, e em seus átrios, com louvor; dêem-lhe graças e bendigam o seu nome.
Pois o Senhor é bom e o seu amor leal é eterno; a sua fidelidade permanece por todas as gerações.
Salmos 100:1-5

Como o louco que atira brasas e flechas mortais,
assim é o homem que engana o seu próximo e diz: “Eu estava só brincando! ”
Provérbios 26:18,19

Lembre a todos que se sujeitem aos governantes e às autoridades, sejam obedientes, estejam sempre prontos a fazer tudo o que é bom,
não caluniem a ninguém, sejam pacíficos e amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens.
Houve tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres. Vivíamos na maldade e na inveja, sendo detestáveis e odiando-nos uns aos outros.
Mas quando se manifestaram a bondade e o amor pelos homens da parte de Deus, nosso Salvador,
não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo,
Tito 3:1-5

 

27 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

A Babilônia estava destinada a cair.  Mesmo que o fim da Babilônia fosse anos no futuro, Jeremias pôde ver através do seu olho profético que a queda da Babilônia havia chegado (Jeremias 51:13).

Deus usou a Babilônia para destruir Jerusalém, e durante muitos anos os Babilônios reinaram sobre os judeus para a glória de seus falsos deuses.  Agora havia chegado a hora para os Medos se mexerem atacando a cidade invencível da Babilônia.  Os registros históricos nos contam que os Medos desviaram o rio Eufrates que corria através da cidade da Babilônia, e assim foram capazes de penetrar os muros maçicos da cidade em uma noite.  Quando Deus se prepara para julgar uma nação orgulhosa, a cortina da história fecha para essa nação.

João o Revelador viu a mesma situação para o império econômico futuro da Babilônia:  “´Ai! A grande cidade! Babilônia, cidade poderosa! Em apenas uma hora chegou a sua condenação!´” (Apocalipse 18:10).

Não importa quão grande, imponentes e poderosos os impérios do mundo se tornem, todos cairão diante do Deus Jeová.  “O Senhor reina! As nações tremem!” (Salmos 99:1).  Nós também devemos tremer ao lembrarmos o que aconteceu com a grande “Babilônia”.

Leitura Diária

(Jeremias 51:1-53 | Salmos 99:1-9 | Provérbios 26:17 | Tito:2:1-15)

Assim diz o Senhor: “Vejam! Levantarei um vento destruidor contra a Babilônia, contra o povo de Lebe-Camai.
Enviarei estrangeiros para a Babilônia a fim de peneirá-la como trigo e devastar a sua terra. No dia de sua desgraça virão contra ela de todos os lados.
Que o arqueiro não arme o seu arco nem vista a sua armadura. Não poupem os seus jovens guerreiros, destruam completamente o seu exército.
Eles cairão mortos na Babilônia, mortalmente feridos em suas ruas.
Israel e Judá não foram abandonadas como viúvas pelo seu Deus, o Senhor dos Exércitos, embora a terra dos babilônios esteja cheia de culpa diante do Santo de Israel.
“Fujam da Babilônia! Cada um por si! Não sejam destruídos por causa da iniqüidade dela. É hora da vingança do Senhor; ele pagará a ela o que ela merece.
A Babilônia era um cálice de ouro nas mãos do Senhor; ela embriagou a terra toda. As nações beberam o seu vinho; por isso agora, enlouqueceram.
A Babilônia caiu de repente e ficou arruinada. Lamentem por ela! Consigam bálsamo para a ferida dela; talvez ela possa ser curada.
“Gostaríamos de ter curado Babilônia, mas ela não pode ser curada; deixem-na e vamos cada um para a sua própria terra, pois o julgamento dela chega ao céu, eleva-se tão alto quanto as nuvens.
“O Senhor defendeu o nosso nome; venham, contemos em Sião o que o Senhor, o nosso Deus, tem feito.
“Afiem as flechas, peguem os escudos! O Senhor incitou o espírito dos reis dos medos, porque seu propósito é destruir a Babilônia. O Senhor se vingará, se vingará de seu templo.
Ergam o sinal para atacar as muralhas da Babilônia! Reforcem a guarda! Posicionem as sentinelas! Preparem uma emboscada! O Senhor executará o seu plano, o que ameaçou fazer contra os habitantes da Babilônia.
Você que vive junto a muitas águas e está rico de tesouros, chegou o seu fim, a hora de você ser eliminado.
O Senhor dos Exércitos jurou por si mesmo: com certeza a encherei de homens, como com um enxame de gafanhotos, e eles gritarão triunfante sobre você.
“Mas foi Deus quem fez a terra com o seu poder; firmou o mundo com a sua sabedoria e estendeu os céus com o seu entendimento.
Ao som do seu trovão, as águas no céu rugem; ele faz com que as nuvens se levantem desde os confins da terra. Ele faz relâmpagos para a chuva e faz sair o vento de seus depósitos.
“São todos eles estúpidos e ignorantes; cada ourives é envergonhado pela imagem que esculpiu. Suas imagens esculpidas são uma fraude, elas não têm fôlego de vida.
Elas são inúteis, são objetos de zombaria. Quando vier o julgamento delas, perecerão.
Aquele que é a Porção de Jacó não é como esses, pois ele é quem forma todas as coisas, e Israel é a tribo de sua propriedade; o Senhor dos Exércitos é o seu nome.
“Você é o meu martelo, a minha arma de guerra. Com você eu despedaço nações, com você eu destruo reinos,
com você despedaço cavalo e cavaleiro, com você despedaço carro de guerra e cocheiro,
com você despedaço homem e mulher, com você despedaço velho e jovem, com você despedaço rapaz e moça,
com você despedaço pastor e rebanho, com você despedaço lavrador e bois, com você despedaço governadores e oficiais.
“Retribuirei à Babilônia e a todos os que vivem na Babilônia por toda a maldade que fizeram em Sião diante dos olhos de vocês”, declara o Senhor.
“Estou contra você, ó montanha destruidora, você que destrói a terra inteira”, declara o Senhor. “Estenderei minha mão contra você, eu a farei rolar dos penhascos, e farei de você uma montanha calcinada.
Nenhuma pedra sua será cortada para servir de pedra angular, nem para um alicerce, pois você estará arruinada para sempre”, declara o Senhor.
“Ergam um estandarte na terra! Toquem a trombeta entre as nações! Preparem as nações para o combate contra ela; convoquem contra ela estes reinos: Ararate, Mini e Asquenaz. Nomeiem um comandante contra ela; lancem os cavalos ao ataque como um enxame de gafanhotos.
Preparem as nações para o combate contra ela: os reis dos medos, seus governadores e todos os seus oficiais, e todos os países que governam.
A terra treme e se contorce de dor, pois permanecem de pé os planos do Senhor contra a Babilônia: desolar a terra da Babilônia para que fique desabitada.
Os guerreiros da Babilônia pararam de lutar; permanecem em suas fortalezas. A força deles acabou; tornaram-se como mulheres. As habitações dela estão incendiadas; as trancas de suas portas estão quebradas.
Um emissário vai após outro, e um mensageiro sai após outro mensageiro para anunciar ao rei da Babilônia que sua cidade inteira foi capturada,
os pontos de cruzar o rio foram tomados, a vegetação dos pântanos foi incendiada, e os soldados ficaram aterrorizados. ”
Assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: “A cidade de Babilônia é como uma eira a época da colheita logo chegará para ela.
“Nabucodonosor, rei da Babilônia, devorou-nos, lançou-nos em confusão, fez de nós um jarro vazio. Tal como uma serpente ele nos engoliu e encheu seu estômago com nossas finas comidas e então nos vomitou.
Que a violência cometida à nossa carne esteja sobre a Babilônia”, dizem os habitantes de Sião. “Que o nosso sangue esteja sobre aqueles que moram na Babilônia”, diz Jerusalém.
Por isso, assim diz o Senhor: “Vejam, defenderei a causa de vocês e os vingarei; secarei o seu mar e esgotarei as suas fontes.
A Babilônia se tornará um amontoado de ruínas, uma habitação de chacais, objeto de pavor e de zombaria, um lugar onde ninguém vive.
O seu povo todo ruge como leõezinhos, rosnam como filhotes de leão.
Mas, enquanto estiverem excitados, prepararei um banquete para eles e os deixarei bêbados, para que fiquem bem alegres e, então, durmam e jamais acordem”, declara o Senhor.
“Eu os levarei como cordeiros para o matadouro, como carneiros e bodes.
“Como Sesaque será capturada, o orgulho de toda a terra tomado! Que horror a Babilônia será entre as nações!
O mar se levantará sobre a Babilônia; suas ondas agitadas a cobrirão.
Suas cidades serão arrasadas, uma terra seca e deserta, uma terra onde ninguém mora, pela qual nenhum homem passa.
Castigarei Bel na Babilônia e o farei vomitar o que engoliu. As nações não mais acorrerão a ele. E a muralha da Babilônia cairá.
“Saia dela, meu povo! Cada um salve a sua própria vida, da ardente ira do Senhor.
Não desanimem nem tenham medo quando ouvirem rumores na terra; um rumor chega este ano, outro no próximo, rumor de violência na terra e de governante contra governante.
Portanto, certamente vêm os dias quando castigarei as imagens esculpidas da Babilônia; toda a sua terra será envergonhada, e todos os seus mortos jazerão caídos dentro dela.
Então o céu e a terra e tudo o que existe neles gritará de alegria por causa da Babilônia, pois do norte destruidores a atacarão”, declara o Senhor.
“A Babilônia cairá por causa dos mortos de Israel, assim como os mortos de toda a terra caíram por causa da Babilônia.
Vocês que escaparam da espada, saiam! Não permaneçam! Lembrem-se do Senhor numa terra distante, e pensem em Jerusalém.
“Estamos envergonhados pois fomos insultados e a vergonha cobre o nosso rosto, porque estrangeiros penetraram nos lugares santos do templo do Senhor.
“Portanto, centamente vêm os dias”, declara o Senhor, “quando castigarei as suas imagens esculpidas, e por toda a sua terra os feridos gemerão.
Mesmo que a Babilônia chegue ao céu e fortifique no alto a sua fortaleza, enviarei destruidores contra ela”, declara o Senhor.
Jeremias 51:1-53

O Senhor reina! As nações tremem! O seu trono está sobre os querubins! Abala-se a terra!
Grande é o Senhor em Sião; ele é exaltado acima de todas as nações!
Seja louvado o teu grande e temível nome, que é santo.
Rei poderoso, amigo da justiça! Estabeleceste a eqüidade e fizeste em Jacó o que é direito e justo.
Exaltem o Senhor, o nosso Deus, prostrem-se diante do estrado dos seus pés. Ele é santo!
Moisés e Arão estavam entre os seus sacerdotes, Samuel, entre os que invocavam o seu nome; eles clamavam pelo Senhor, e ele lhes respondia.
Falava-lhes da coluna de nuvem, e eles obedeciam aos seus mandamentos e aos decretos que ele lhes dava.
Tu lhes respondeste, Senhor, nosso Deus; para eles, tu eras um Deus perdoador, embora os tenhas castigado por suas rebeliões.
Exaltem o Senhor nosso Deus; prostrem-se, voltados para o seu santo monte, porque o Senhor, o nosso Deus, é santo.
Salmos 99:1-9

Como alguém que pega pelas orelhas um cão qualquer, assim é quem se mete em discussão alheia.
Provérbios 26:17

Você, porém, fale o que está de acordo com a sã doutrina.
Ensine os homens mais velhos a serem sóbrios, dignos de respeito, sensatos, e sadios na fé, no amor e na perseverança.
Semelhantemente, ensine as mulheres mais velhas a serem reverentes na sua maneira de viver, a não serem caluniadoras nem escravizadas a muito vinho, mas a serem capazes de ensinar o que é bom.
Assim, poderão orientar as mulheres mais jovens a amarem seus maridos e seus filhos,
a serem prudentes e puras, a estarem ocupadas em casa, e a serem bondosas e sujeitas a seus próprios maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada.
Da mesma maneira, encoraje os jovens a serem prudentes.
Em tudo seja você mesmo um exemplo para eles, fazendo boas obras. Em seu ensino, mostre integridade e seriedade;
use linguagem sadia, contra a qual nada se possa dizer, para que aqueles que se lhe opõem fiquem envergonhados por não terem nada de mal para dizer a nosso respeito.
Ensine os escravos a se submeterem em tudo a seus senhores, a procurarem agradá-los, a não serem respondões e
a não roubá-los, mas a mostrarem que são inteiramente dignos de confiança, para que assim tornem atraente, em tudo, o ensino de Deus, nosso Salvador.
Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens.
Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente,
enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo.
Ele se entregou por nós a fim de nos remir de toda a maldade e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, dedicado à prática de boas obras.
É isso que você deve ensinar, exortando-os e repreendendo-os com toda a autoridade. Ninguém o despreze.
Tito 2:1-15

 

26 de Outubro

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Odeiem o mal, vocês que amam o Senhor” (Salmos 97:10).  Paulo desafia os que amam o Senhor a serem “irreprensíveis: não orgulhosos, não briguentos, não apegados ao vinho, não violentos, nem ávidos por lucro desonesto” (Tito 1:7).

O desafio de controlar emoções maldosas, apetites e cobiça não é fácil.  Um diácono deve ser “hospitaleiro, amigo do bem, sensato, justo, consagrado, ter domínio próprio” (Tito 1:8).  A vida e o caráter de pessoas piedosas precisam demonstrar que odeiam o mal e que fazem tudo que esteja em seu poder para removê-lo de suas vidas.

O oposto de tal pessoa é aquele que tolera o mal.  Pessoas que se encaixam nesta categoria se tornam “insubordinados, que não passam de faladores e enganadores … mentirosos, feras malignas, glutões preguiçosos” (Tito 1:10-12).  Eles toleram o mal de tal forma que “tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas” (v 15).

Estes caminhos parecem ser dois caminhos totalmente diferentes, não é?  Se você tem a intenção de ver Deus um dia, lembre que a “retidão e justiça são a base do seu trono” (Salmos 97:2).  Siga o caminho mais alto pois “ele protege a vida dos seus fiéis e os livra das mãos dos ímpios” (v 10).

Leitura Diária

(Jeremias 49:23 – 50:46 | Salmos 97:1 – 98:9 | Provérbios 26:13-16 | Tito 1:1-16)

Acerca de Damasco: “Hamate e Arpade estão atônitas, pois ouviram más notícias. Estão desencorajadas, perturbadas como o mar agitado.
Damasco tornou-se frágil, ela se virou para fugir, e o pânico tomou conta dela; angústia e dor dela se apoderaram, dor como a de uma mulher em trabalho de parto.
Como está abandonada a cidade famosa, a cidade da alegria!
Por isso, os seus jovens cairão nas ruas e todos os seus guerreiros se calarão naquele dia”, declara o Senhor dos exércitos.
“Porei fogo nas muralhas de Damasco, que consumirá as fortalezas de Ben-Hadade. ”
Acerca de Quedar e os reinos de Hazor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, derrotou, assim diz o Senhor: “Preparem-se, ataquem Quedar e destruam o povo do oriente.
Tomem suas tendas e seus rebanhos, suas cortinas com todos os seus utensílios e camelos. Gritam contra eles: ‘Há terror por todos os lados! ’
“Fujam rapidamente! Escondam-se em cavernas profundas, vocês habitantes de Hazor”, diz o Senhor. “Nabucodonosor, rei da Babilônia, fez planos e projetos contra vocês.
“Preparem-se e ataquem uma nação que vive tranqüila e confiante”, declara o Senhor, “uma nação que não tem portas nem trancas, e que vive sozinha.
Seus camelos se tornarão despojo e suas grandes manadas, espólio. Espalharei ao vento aqueles que raspam a cabeça, e de todos os lados trarei a ruína deles”, declara o Senhor.
“Hazor se tornará uma habitação de chacais, uma ruína para sempre. Ninguém mais habitará ali, nenhum homem residirá nela. ”
Esta é a palavra do Senhor que veio ao profeta Jeremias acerca de Elão, no início do reinado de Zedequias, rei de Judá:
Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Vejam, quebrarei o arco de Elão, a base de seu poder.
Farei com que os quatro ventos, que vêm dos quatro cantos do céu, soprem contra Elão. E eu os dispersarei aos quatro ventos, e não haverá nenhuma nação para onde os exilados de Elão não forem.
Farei com que Elão trema diante dos seus inimigos, diante daqueles que desejam tirar-lhes a vida. Trarei a desgraça sobre eles, a minha ira ardente”, declara o Senhor. “Farei com que a espada os persiga até que eu os tenha eliminado.
Porei meu trono em Elão e destruirei seu rei e líderes”, declara o Senhor.
“Contudo restaurarei a sorte de Elão em dias vindouros”, declara o Senhor.
Jeremias 49:23-39

Esta é a palavra que o Senhor falou pelo profeta Jeremias acerca da Babilônia e da terra dos babilônios:
“Anunciem e proclamem entre as nações, ergam um sinal e proclamem; não escondam nada. Digam: ‘A Babilônia foi conquistada; Bel foi humilhado, Marduque apavorado. As imagens da Babilônia estão humilhadas e seus ídolos apavorados’.
Uma nação vinda do norte a atacará, arrasará a sua terra e não deixará nela nenhum habitante; tanto homens como animais fugirão.
“Naqueles dias e naquela época”, declara o Senhor, “o povo de Israel e o povo de Judá virão juntos, chorando e buscando o Senhor seu Deus.
Perguntarão pelo caminho para Sião e voltarão o rosto na direção dela. Virão e se apegarão ao Senhor numa aliança permanente que não será esquecida.
“Meu povo tem sido ovelhas perdidas; seus pastores as desencaminharam e as fizeram perambular pelos montes. Elas vaguearam por montanhas e colinas e se esqueceram de seu próprio curral.
Todos que as encontram as devoram. Os seus adversários disseram: ‘Não somos culpados, pois elas pecaram contra o Senhor, sua verdadeira pastagem, o Senhor, a esperança de seus antepassados’.
“Fujam da Babilônia; saiam da terra dos babilônios e sejam como os bodes que lideram o rebanho.
Vejam! Eu mobilizarei e trarei contra a Babilônia uma coalizão de grandes nações do norte. Elas tomarão posição de combate contra ela e a conquistarão. Suas flechas serão como guerreiros bem treinados, que não voltam de mãos vazias.
Assim a Babilônia será saqueada; todos os que a saquearem se fartarão”, declara o Senhor.
“Ainda que você esteja alegre e exultante, você que saqueia a minha herança; ainda que você seja brincalhão como uma novilha solta no pasto, e relincha como os garanhões,
sua mãe se envergonhará profundamente; aquela que lhes deu à luz ficará constrangida. Ela se tornará a menor das nações, um deserto, uma terra seca e árida.
Por causa da ira do Senhor ela não será habitada, mas estará completamente desolada. Todos os que passarem pela Babilônia ficarão chocados e zombarão por causa de todas as suas feridas.
“Tomem posição de combate em volta da Babilônia, todos vocês que empunham o arco. Atirem nela! Não poupem flechas, pois ela pecou contra o Senhor.
Soem contra ela um grito de guerra de todos os lados! Ela se rende, suas torres caem e suas muralhas são derrubadas. Esta é a vingança do Senhor; vinguem-se dela! Façam a ela o que ela fez aos outros!
Eliminem da Babilônia o semeador, e o ceifeiro com a sua foice na colheita. Por causa da espada do opressor que cada um volte para o seu próprio povo, e cada um fuja para a sua própria terra.
“Israel é um rebanho disperso, afugentado por leões. O primeiro a devorá-lo foi o rei da Assíria; e o último a esmagar os seus ossos foi Nabucodonosor, rei da Babilônia. ”
Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: “Castigarei o rei da Babilônia e a sua terra assim como castiguei o rei da Assíria.
Mas trarei Israel de volta a sua própria pastagem e ele pastará no Carmelo e em Basã; e saciará o seu apetite nos montes de Efraim e em Gileade.
Naqueles dias, naquela época”, declara o Senhor, “se procurará pela iniqüidade de israel, mas nada será achado, pelos pecados de Judá, mas nenhum será encontrado, pois perdoarei o remanescente que eu poupar.
“Ataquem a terra de Merataim e aqueles que moram em Pecode. Persigam-nos, matem-nos e destruam-nos totalmente”, declara o Senhor. “Façam tudo que lhes ordenei.
Há ruído de batalha na terra; grande destruição!
Quão quebrado e destroçado está o martelo de toda a terra! Quão arrasada está a Babilônia entre as nações!
Preparei uma armadilha para você, ó Babilônia, e você foi apanhada antes de percebê-lo; você foi achada e capturada porque se opôs ao Senhor.
O Senhor abriu o seu arsenal e trouxe para fora as armas da sua ira, pois o Soberano Senhor dos Exércitos tem trabalho para fazer na terra dos babilônios.
Venham contra ela dos confins da terra. Arrombem os seus celeiros; empilhem-na como feixes de cereal. Destruam-na totalmente e não lhe deixem nenhum remanescente.
Matem todos os seus jovens guerreiros! Que eles desçam para o matadouro! Ai deles! Pois chegou o seu dia, a hora de serem castigados.
Escutem os fugitivos e refugiados vindos da Babilônia, declarando em Sião como, o Senhor, o nosso Deus se vingou, como se vingou de seu templo.
“Convoquem flecheiros contra a Babilônia, todos aqueles que empunham o arco. Acampem-se todos ao redor dela; não deixem ninguém escapar. Retribuam a ela conforme os seus feitos; façam com ela tudo o que ela fez. Porque ela desafiou o Senhor, o Santo de Israel.
Por isso, os seus jovens cairão nas ruas e todos os seus guerreiros se calarão naquele dia”, declara o Senhor dos Exércitos.
“Vejam, estou contra você, ó arrogante”, declara o Soberano Senhor dos Exércitos, “pois chegou o seu dia, a sua hora de ser castigada.
A arrogância tropeçará e cairá, e ninguém a ajudará a se levantar. Incendiarei as suas cidades, e o fogo consumirá tudo ao seu redor. ”
Assim diz o Senhor dos Exércitos: “O povo de Israel está sendo oprimido, e também o povo de Judá. Todos os seus captores os prendem à força, recusando deixá-los ir.
Contudo, o Redentor deles é forte; o Senhor dos Exércitos é o seu nome. Ele mesmo defenderá a causa deles, e trará descanso à terra, mas inquietação aos que vivem na Babilônia.
“Uma espada contra os babilônios! “, declara o Senhor; “contra os que vivem na Babilônia e contra seus líderes e sábios!
Uma espada contra os seus falsos profetas! Eles se tornarão tolos. Uma espada contra os seus guerreiros! Eles ficarão apavorados.
Uma espada contra os seus cavalos, os seus carros de guerra e contra todos os estrangeiros em suas fileiras! Eles serão como mulheres. Uma espada contra os seus tesouros! Eles serão saqueados.
Uma espada contra as suas águas! Elas secarão. Porque é uma terra de imagens esculpidas, e eles enlouquecem por causa de seus ídolos horríveis.
“Por isso, criaturas do deserto e hienas nela morarão, e as corujas nela habitarão. Ela jamais voltará a ser habitada nem haverá quem nela viva no futuro.
Como Deus destruiu Sodoma e Gomorra e as cidades vizinhas”, diz o Senhor, “ninguém mais habitará ali, nenhum homem residirá nela.
“Vejam! Vem vindo um povo do norte; uma grande nação e muitos reis se mobilizam desde os confins da terra.
Eles empunham o arcos e a lança; são cruéis e sem misericórdia, e o seu barulho é como o bramido do mar. Vêm montados em seus cavalos, em formação de batalha, para atacá-la, ó cidade de Babilônia.
Quando o rei da Babilônia ouviu relatos sobre eles, as suas mãos amoleceram. A angústia tomou conta dele, dores como as de uma mulher dando à luz.
Assim como um leão que sobe da mata do Jordão em direção aos pastos verdejantes, subitamente eu caçarei a Babilônia para fora de sua terra. Quem é o escolhido que designarei para isso? Quem é como eu que possa me desafiar? E que pastor pode me resistir? ”
Por isso, ouçam o que o Senhor planejou contra a Babilônia, o que ele preparou contra a terra dos babilônios: os menores do rebanho serão arrastados, e as pastagens ficarão devastadas por causa deles.
Ao som da tomada da Babilônia a terra tremerá; o grito deles ressoará entre as nações.
Jeremias 50:1-46

O Senhor reina! Exulte a terra e alegrem-se as regiões costeiras distantes.
Nuvens escuras e espessas o cercam; retidão e justiça são a base do seu trono.
Fogo vai adiante dele e devora os adversários ao redor.
Seus relâmpagos iluminam o mundo; a terra os vê e estremece.
Os montes se derretem como cera diante do Senhor, diante do Soberano de toda a terra.
Os céus proclamam a sua justiça, e todos os povos contemplam a sua glória.
Ficam decepcionados todos os que adoram imagens e se vangloriam de ídolos. Prostram-se diante dele todos os deuses!
Sião ouve e se alegra, e as cidades de Judá exultam, por causa das tuas sentenças, Senhor.
Pois tu, Senhor, és o Altíssimo sobre toda a terra! És exaltado muito acima de todos os deuses!
Odeiem o mal, vocês que amam o Senhor, pois ele protege a vida dos seus fiéis e os livra das mãos dos ímpios.
A luz nasce sobre o justo e a alegria sobre os retos de coração.
Alegrem-se no Senhor, justos, louvem o seu santo nome.
Salmos 97:1-12

Cantem ao Senhor um novo cântico, pois ele fez coisas maravilhosas; a sua mão direita e o seu braço santo lhe deram a vitória!
O Senhor anunciou a sua vitória e revelou a sua justiça às nações.
Ele se lembrou do seu amor leal e da sua fidelidade para com a casa de Israel; todos os confins da terra viram a vitória do nosso Deus.
Aclamem o Senhor todos os habitantes da terra! Louvem-no com cânticos de alegria e ao som de música!
Ofereçam música ao Senhor com a harpa, com a harpa e ao som de canções,
com cornetas e ao som da trombeta; exultem diante do Senhor, o Rei!
Ressoe o mar e tudo o que nele existe, o mundo e os seus habitantes!
Batam palmas os rios, e juntos, cantem de alegria os montes;
cantem diante do Senhor, porque ele vem, vem julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos, com retidão.
Salmos 98:1-9

O preguiçoso diz: “Lá está um leão no caminho, um leão feroz rugindo nas ruas! ”
Como a porta gira em suas dobradiças, assim o preguiçoso se revira em sua cama.
O preguiçoso coloca a mão no prato, mas acha difícil demais levá-la de volta à boca.
O preguiçoso considera-se mais sábio do que sete homens que respondem com bom senso.
Provérbios 26:13-16

Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo para levar os eleitos de Deus à fé e ao conhecimento da verdade que conduz à piedade,
fé e conhecimento que se fundamentam na esperança da vida eterna, a qual o Deus que não mente prometeu antes dos tempos eternos.
No devido tempo, ele trouxe à luz a sua palavra, por meio da pregação a mim confiada por ordem de Deus, nosso Salvador,
a Tito, meu verdadeiro filho em nossa fé comum: Graça e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Salvador.
A razão de tê-lo deixado em Creta foi para que você pusesse em ordem o que ainda faltava e constituísse presbíteros em cada cidade, como eu o instruí.
É preciso que o presbítero seja irrepreensível, marido de uma só mulher, e tenha filhos crentes que não sejam acusados de libertinagem ou de insubmissão.
Por ser encarregado da obra de Deus, é necessário que o bispo seja irrepreensível: não orgulhoso, não briguento, não apegado ao vinho, não violento, nem ávido por lucro desonesto.
É preciso, porém, que ele seja hospitaleiro, amigo do bem, sensato, justo, consagrado, tenha domínio próprio
e apegue-se firmemente à mensagem fiel, da maneira como foi ensinada, para que seja capaz de encorajar outros pela sã doutrina e de refutar os que se opõem a ela.
Pois há muitos insubordinados, que não passam de faladores e enganadores, especialmente os do grupo da circuncisão.
É necessário que eles sejam silenciados, pois estão arruinando famílias inteiras, ensinando coisas que não devem, e tudo por ganância.
Um dos seus próprios profetas chegou a dizer: “Cretenses, sempre mentirosos, feras malignas, glutões preguiçosos”.
Tal testemunho é verdadeiro. Portanto, repreenda-os severamente, para que sejam sadios na fé
e não dêem atenção a lendas judaicas nem a mandamentos de homens que rejeitam a verdade.
Para os puros, todas as coisas são puras; mas para os impuros e descrentes, nada é puro. De fato, tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.
Eles afirmam que conhecem a Deus, mas por seus atos o negam; são detestáveis, desobedientes e desqualificados para qualquer boa obra.
Tito 1:1-16