31 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Até aqui você pode vir, além deste ponto não” (Jó 38:11).  Neste versículo Deus pacientemente explica a Jó as limitações que Ele colocara para as “ondas orgulhosas” do mar.  As vezes pensamos que a maldade não tem limites, que está livre para causar estrago em nossas vidas sem nenhuma restrição.  No entanto, é Deus Todo Poderoso que coloca limites nos ataques do diabo.

Na vida de Jó, Deus tinha um tempo predeterminado quando subitamente colocaria o processo todo em reverso.  Assim finalizaria a maior prova de um homem sem Cristo.  A paciência de Jó se tornou o testemunho de paciência mais significante na história bíblica: “Vocês ouviram falar sobre a perseverança de Jó e viram o fim que o Senhor lhe proporcionou.  O Senhor é cheio de compaixão e misericórdia.” (Tiago 5:11).

As águas orgulhosas do mal podem estar lhe ameaçando e submergindo, mas Deus sabe o momento quando baterão no limite.  Nesse dia, o seu inimigo será como um cachorro selvagem acorrentado em uma corrente cumprida, e você poderá descansar em paz enquanto Deus diz ao teu inimigo, “Até aqui você pode vir, além deste ponto não”!

Leitura diária

(Jó 37:1 – 39:30 | Salmo 44:9-26 | Provérbios 22:13 | 2 Coríntios 4:13 – 5:10)

Sobre isto também treme o meu coração, e salta do seu lugar.
Atentamente ouvi a indignação da sua voz, e o sonido que sai da sua boca.
Ele o envia por debaixo de todos os céus, e a sua luz até aos confins da terra.
Depois disto ruge uma voz; ele troveja com a sua voz majestosa; e ele não os detém quando a sua voz é ouvida.
Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisas, que nós não podemos compreender.
Porque à neve diz: Cai sobre a terra; como também à garoa e à sua forte chuva.
Ele sela as mãos de todo o homem, para que conheçam todos os homens a sua obra.
E as feras entram nos seus esconderijos e ficam nas suas cavernas.
Da recâmara do sul sai o tufão, e do norte o frio.
Pelo sopro de Deus se dá a geada, e as largas águas se congelam.
Também de umidade carrega as grossas nuvens, e esparge as nuvens com a sua luz.
Então elas, segundo o seu prudente conselho, se espalham em redor, para que façam tudo quanto lhes ordena sobre a superfície do mundo na terra.
Seja que por vara, ou para a sua terra, ou por misericórdia as faz vir.
A isto, ó Jó, inclina os teus ouvidos; para, e considera as maravilhas de Deus.
Porventura sabes tu como Deus as opera, e faz resplandecer a luz da sua nuvem?
Tens tu notícia do equilíbrio das grossas nuvens e das maravilhas daquele que é perfeito nos conhecimentos?
Ou de como as tuas roupas aquecem, quando do sul há calma sobre a terra?
Ou estendeste com ele os céus, que estão firmes como espelho fundido?
Ensina-nos o que lhe diremos: porque nós nada poderemos pôr em boa ordem, por causa das trevas.
Contar-lhe-ia alguém o que tenho falado? Ou desejaria um homem que ele fosse devorado?
E agora não se pode olhar para o sol, que resplandece nas nuvens, quando o vento, tendo passado, o deixa limpo.
O esplendor de ouro vem do norte; pois, em Deus há uma tremenda majestade.
Ao Todo-Poderoso não podemos alcançar; grande é em poder; porém a ninguém oprime em juízo e grandeza de justiça.
Por isso o temem os homens; ele não respeita os que se julgam sábios de coração.
Jó 37:1-24

Depois disto o SENHOR respondeu a Jó de um redemoinho, dizendo:
Quem é este que escurece o conselho com palavras sem conhecimento?
Agora cinge os teus lombos, como homem; e perguntar-te-ei, e tu me ensinarás.
Onde estavas tu, quando eu fundava a terra? Faze-mo saber, se tens inteligência.
Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?
Sobre que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina,
Quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus jubilavam?
Ou quem encerrou o mar com portas, quando este rompeu e saiu da madre;
Quando eu pus as nuvens por sua vestidura, e a escuridão por faixa?
Quando eu lhe tracei limites, e lhe pus portas e ferrolhos,
E disse: Até aqui virás, e não mais adiante, e aqui se parará o orgulho das tuas ondas?
Ou desde os teus dias deste ordem à madrugada, ou mostraste à alva o seu lugar;
Para que pegasse nas extremidades da terra, e os ímpios fossem sacudidos dela;
E se transformasse como o barro sob o selo, e se pusessem como vestidos;
E dos ímpios se desvie a sua luz, e o braço altivo se quebrante;
Ou entraste tu até às origens do mar, ou passeaste no mais profundo do abismo?
Ou descobriram-se-te as portas da morte, ou viste as portas da sombra da morte?
Ou com o teu entendimento chegaste às larguras da terra? Faze-mo saber, se sabes tudo isto.
Onde está o caminho onde mora a luz? E, quanto às trevas, onde está o seu lugar;
Para que as tragas aos seus limites, e para que saibas as veredas da sua casa?
De certo tu o sabes, porque já então eras nascido, e por ser grande o número dos teus dias!
Ou entraste tu até aos tesouros da neve, e viste os tesouros da saraiva,
Que eu retenho até ao tempo da angústia, até ao dia da peleja e da guerra?
Onde está o caminho em que se reparte a luz, e se espalha o vento oriental sobre a terra?
Quem abriu para a inundação um leito, e um caminho para os relâmpagos dos trovões,
Para chover sobre a terra, onde não há ninguém, e no deserto, em que não há homem;
Para fartar a terra deserta e assolada, e para fazer crescer os renovos da erva?
A chuva porventura tem pai? Ou quem gerou as gotas do orvalho?
De que ventre procedeu o gelo? E quem gerou a geada do céu?
Como debaixo de pedra as águas se endurecem, e a superfície do abismo se congela.
Ou poderás tu ajuntar as delícias do Sete-estrelo ou soltar os cordéis do Órion?
Ou produzir as constelações a seu tempo, e guiar a Ursa com seus filhos?
Sabes tu as ordenanças dos céus, ou podes estabelecer o domínio deles sobre a terra?
Ou podes levantar a tua voz até às nuvens, para que a abundância das águas te cubra?
Ou mandarás aos raios para que saiam, e te digam: Eis-nos aqui?
Quem pôs a sabedoria no íntimo, ou quem deu à mente o entendimento?
Quem numerará as nuvens com sabedoria? Ou os odres dos céus, quem os esvaziará,
Quando se funde o pó numa massa, e se apegam os torrões uns aos outros?
Porventura caçarás tu presa para a leoa, ou saciarás a fome dos filhos dos leões,
Quando se agacham nos covis, e estão à espreita nas covas?
Quem prepara aos corvos o seu alimento, quando os seus filhotes gritam a Deus e andam vagueando, por não terem o que comer?
Jó 38:1-41

Sabes tu o tempo em que as cabras montesas têm filhos, ou observastes as cervas quando dão suas crias?
Contarás os meses que cumprem, ou sabes o tempo do seu parto?
Quando se encurvam, produzem seus filhos, e lançam de si as suas dores.
Seus filhos enrijam, crescem com o trigo; saem, e nunca mais tornam para elas.
Quem despediu livre o jumento montês, e quem soltou as prisões ao jumento bravo,
Ao qual dei o ermo por casa, e a terra salgada por morada?
Ri-se do ruído da cidade; não ouve os muitos gritos do condutor.
A região montanhosa é o seu pasto, e anda buscando tudo que está verde.
Ou, querer-te-á servir o boi selvagem? Ou ficará no teu curral?
Ou com corda amarrarás, no arado, ao boi selvagem? Ou escavará ele os vales após ti?
Ou confiarás nele, por ser grande a sua força, ou deixarás a seu cargo o teu trabalho?
Ou fiarás dele que te torne o que semeaste e o recolha na tua eira?
A avestruz bate alegremente as suas asas, porém, são benignas as suas asas e penas?
Ela deixa os seus ovos na terra, e os aquenta no pó,
E se esquece de que algum pé os pode pisar, ou que os animais do campo os podem calcar.
Endurece-se para com seus filhos, como se não fossem seus; debalde é seu trabalho, mas ela está sem temor,
Porque Deus a privou de sabedoria, e não lhe deu entendimento.
A seu tempo se levanta ao alto; ri-se do cavalo, e do que vai montado nele.
Ou darás tu força ao cavalo, ou revestirás o seu pescoço com crinas?
Ou espantá-lo-ás, como ao gafanhoto? Terrível é o fogoso respirar das suas ventas.
Escarva a terra, e folga na sua força, e sai ao encontro dos armados.
Ri-se do temor, e não se espanta, e não torna atrás por causa da espada.
Contra ele rangem a aljava, o ferro flamante da lança e do dardo.
Agitando-se e indignando-se, serve a terra, e não faz caso do som da buzina.
Ao soar das buzinas diz: Eia! E cheira de longe a guerra, e o trovão dos capitàes, e o alarido.
Ou voa o gavião pela tua inteligência, e estende as suas asas para o sul?
Ou se remonta a águia ao teu mandado, e põe no alto o seu ninho?
Nas penhas mora e habita; no cume das penhas, e nos lugares seguros.
Dali descobre a presa; seus olhos a avistam de longe.
E seus filhos chupam o sangue, e onde há mortos, ali está ela.
Jó 39:1-30

Mas agora tu nos rejeitaste e nos confundiste, e não sais com os nossos exércitos.
Tu nos fazes retirar do inimigo, e aqueles que nos odeiam nos saqueiam para si.
Tu nos entregaste como ovelhas para comer, e nos espalhaste entre os gentios.
Tu vendes por nada o teu povo, e não aumentas a tua riqueza com o seu preço.
Tu nos pões por opróbrio aos nossos vizinhos, por escárnio e zombaria daqueles que estão à roda de nós.
Tu nos pões por provérbio entre os gentios, por movimento de cabeça entre os povos.
A minha confusão está constantemente diante de mim, e a vergonha do meu rosto me cobre,
À voz daquele que afronta e blasfema, por causa do inimigo e do vingador.
Tudo isto nos sobreveio; contudo não nos esquecemos de ti, nem nos houvemos falsamente contra a tua aliança.
O nosso coração não voltou atrás, nem os nossos passos se desviaram das tuas veredas;
Ainda que nos quebrantaste num lugar de dragões, e nos cobriste com a sombra da morte.
Se nós esquecemos o nome do nosso Deus, e estendemos as nossas mãos para um deus estranho,
Porventura não esquadrinhará Deus isso? Pois ele sabe os segredos do coração.
Sim, por amor de ti, somos mortos todo o dia; somos reputados como ovelhas para o matadouro.
Desperta, por que dormes, Senhor? Acorda, não nos rejeites para sempre.
Por que escondes a tua face, e te esqueces da nossa miséria e da nossa opressão?
Pois a nossa alma está abatida até ao pó; o nosso ventre se apega à terra.
Levanta-te em nosso auxílio, e resgata-nos por amor das tuas misericórdias.
Salmos 44:9-26

Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas.
Provérbios 22:13

E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.
Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco.
Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus.
Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.
Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;
Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.
2 Coríntios 4:13-18

Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.
E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu;
Se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus.
Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida.
Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito.
Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor
(Porque andamos por fé, e não por vista).
Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor.
Pois que muito desejamos também ser-lhe agradáveis, quer presentes, quer ausentes.
Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.
2 Coríntios 5:1-10

 

30 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

Que testemunho poderoso é andar na luz!  Paulo efetivamente afirma que um andar limpo e puro com o Senhor é o que nos ajuda a “recomendar-nos à consciência de todos, diante de Deus” (2 Coríntios 4:2).

O processo é simples.  O Espírito Santo brilha a luz de Cristo sobre nossas vidas, transformando-nos de “glória em glória” (2 Coríntios 3:18).  Aquela glória descoberta então brilha em nossas faces perante um mundo escurecido e oprimido cujos olhos foram cegados pelo “deus desta era” (4:4).  Esse mesmo Deus que disse, “´Das trevas resplandeça a luz´ ele mesmo brilhou em nossos corações” (v. 6).  Atraves destes “vasos de barro” (v. 7) brilha a própria glória do Deus Criador, Aquele que falou à existência um bilhão de sóis em um só momento!

Nos somos “luz no mundo” (Efésio 5:8), e a medida que andamos na pureza da face de Jesus, um mundo perdido o enxergará.  Caminhamos em vitória atravessando perplexidades e perseguições, “para que a vida de Jesus também seja revelada em nosso corpo” (2 Coríntios 4:10).  Nosso maior testemunho?  Nosso brilho!

Leitura diária

(Jó 34:1 – 36:33 | Salmo 44:1-8 | Provérbios 22:10-12 | 2 Coríntios 4:1-12)

Respondeu mais Eliú, dizendo:
Ouvi, vós, sábios, as minhas razões; e vós, entendidos, inclinai os ouvidos para mim.
Porque o ouvido prova as palavras, como o paladar experimenta a comida.
O que é direito escolhamos para nós; e conheçamos entre nós o que é bom.
Porque Jó disse: Sou justo, e Deus tirou o meu direito.
Apesar do meu direito sou considerado mentiroso; a minha ferida é incurável, embora eu esteja sem transgressão.
Que homem há como Jó, que bebe a zombaria como água?
E caminha em companhia dos que praticam a iniqüidade, e anda com homens ímpios?
Porque disse: De nada aproveita ao homem o comprazer-se em Deus.
Portanto vós, homens de entendimento, escutai-me: Longe de Deus esteja o praticar a maldade e do Todo-Poderoso o cometer a perversidade!
Porque, segundo a obra do homem, ele lhe paga; e faz a cada um segundo o seu caminho.
Também, na verdade, Deus não procede impiamente; nem o Todo-Poderoso perverte o juízo.
Quem lhe entregou o governo da terra? E quem fez todo o mundo?
Se ele pusesse o seu coração contra o homem, e recolhesse para si o seu espírito e o seu fôlego,
Toda a carne juntamente expiraria, e o homem voltaria para o pó.
Se, pois, há em ti entendimento, ouve isto; inclina os ouvidos ao som da minha palavra.
Porventura o que odiasse o direito se firmaria? E tu condenarias aquele que é justo e poderoso?
Ou dir-se-á a um rei: Oh! Vil? Ou aos príncipes: Oh! ímpios?
Quanto menos àquele, que não faz acepção das pessoas de príncipes, nem estima o rico mais do que o pobre; porque todos são obras de suas mãos.
Eles num momento morrem; e até à meia-noite os povos são perturbados, e passam, e os poderosos serão tomados não por mão humana.
Porque os seus olhos estão sobre os caminhos de cada um, e ele vê todos os seus passos.
Não há trevas nem sombra de morte, onde se escondam os que praticam a iniqüidade.
Porque Deus não sobrecarrega o homem mais do que é justo, para o fazer ir a juízo diante dele.
Quebranta aos fortes, sem que se possa inquirir, e põe outros em seu lugar.
Ele conhece, pois, as suas obras; de noite os transtorna, e ficam moídos.
Ele os bate como ímpios que são, à vista dos espectadores;
Porquanto se desviaram dele, e não compreenderam nenhum de seus caminhos,
De sorte que o clamor do pobre subisse até ele, e que ouvisse o clamor dos aflitos.
Se ele aquietar, quem então inquietará? Se encobrir o rosto, quem então o poderá contemplar? Seja isto para com um povo, seja para com um homem só,
Para que o homem hipócrita nunca mais reine, e não haja laços no povo.
Na verdade, quem a Deus disse: Suportei castigo, não ofenderei mais.
O que não vejo, ensina-me tu; se fiz alguma maldade, nunca mais a hei de fazer?
Virá de ti como há de ser a recompensa, para que tu a rejeites? Faze tu, pois, e não eu, a escolha; fala logo o que sabes.
Os homens de entendimento dirão comigo, e o homem sábio que me ouvir:
Jó falou sem conhecimento; e às suas palavras falta prudência.
Pai meu! Provado seja Jó até ao fim, pelas suas respostas próprias de homens malignos.
Porque ao seu pecado acrescenta a transgressão; entre nós bate palmas, e multiplica contra Deus as suas palavras.
Jó 34:1-37

Respondeu mais Eliú, dizendo:
Tens por direito dizeres: Maior é a minha justiça do que a de Deus?
Porque disseste: De que me serviria? Que proveito tiraria mais do que do meu pecado?
Eu te darei resposta, a ti e aos teus amigos contigo.
Atenta para os céus, e vê; e contempla as mais altas nuvens, que são mais altas do que tu.
Se pecares, que efetuarás contra ele? Se as tuas transgressões se multiplicarem, que lhe farás?
Se fores justo, que lhe darás, ou que receberá ele da tua mão?
A tua impiedade faria mal a outro tal como tu; e a tua justiça aproveitaria ao filho do homem.
Por causa das muitas opressões os homens clamam por causa do braço dos grandes.
Porém ninguém diz: Onde está Deus que me criou, que dá salmos durante a noite;
Que nos ensina mais do que aos animais da terra e nos faz mais sábios do que as aves dos céus?
Clamam, porém ele não responde, por causa da arrogância dos maus.
Certo é que Deus não ouvirá a vaidade, nem atentará para ela o Todo-Poderoso.
E quanto ao que disseste, que o não verás, juízo há perante ele; por isso espera nele.
Mas agora, porque a sua ira ainda não se exerce, nem grandemente considera a arrogância,
Logo Jó em vão abre a sua boca, e sem ciência multiplica palavras.
Jó 35:1-16

Prosseguiu ainda Eliú, e disse:
Espera-me um pouco, e mostrar-te-ei que ainda há razões a favor de Deus.
De longe trarei o meu conhecimento; e ao meu Criador atribuirei a justiça.
Porque na verdade, as minhas palavras não serão falsas; contigo está um que tem perfeito conhecimento.
Eis que Deus é mui grande, contudo a ninguém despreza; grande é em força e sabedoria.
Ele não preserva a vida do ímpio, e faz justiça aos aflitos.
Do justo não tira os seus olhos; antes estão com os reis no trono; ali os assenta para sempre, e assim são exaltados.
E se estão presos em grilhões, amarrados com cordas de aflição,
Então lhes faz saber a obra deles, e as suas transgressões, porquanto prevaleceram nelas.
Abre-lhes também os seus ouvidos, para sua disciplina, e ordena-lhes que se convertam da maldade.
Se o ouvirem, e o servirem, acabarão seus dias em bem, e os seus anos em delícias.
Porém se não o ouvirem, à espada serão passados, e expirarão sem conhecimento.
E os hipócritas de coração amontoam para si a ira; e amarrando-os ele, não clamam por socorro.
A sua alma morre na mocidade, e a sua vida perece entre os impuros.
Ao aflito livra da sua aflição, e na opressão se revela aos seus ouvidos.
Assim também te desviará da boca da angústia para um lugar espaçoso, em que não há aperto, e as iguarias da tua mesa serão cheias de gordura.
Mas tu estás cheio do juízo do ímpio; o juízo e a justiça te sustentam.
Porquanto há furor, guarda-te de que não sejas atingido pelo castigo violento, pois nem com resgate algum te livrarias dele.
Estimaria ele tanto tuas riquezas? Não, nem ouro, nem todas as forças do poder.
Não suspires pela noite, em que os povos sejam tomados do seu lugar.
Guarda-te, e não declines para a iniqüidade; porquanto isso escolheste antes que a aflição.
Eis que Deus é excelso em seu poder; quem ensina como ele?
Quem lhe prescreveu o seu caminho? Ou, quem lhe dirá: Tu cometeste maldade?
Lembra-te de engrandecer a sua obra, que os homens contemplam.
Todos os homens a vêem, e o homem a enxerga de longe.
Eis que Deus é grande, e nós não o compreendemos, e o número dos seus anos não se pode esquadrinhar.
Porque faz miúdas as gotas das águas que, do seu vapor, derramam a chuva,
A qual as nuvens destilam e gotejam sobre o homem abundantemente.
Porventura pode alguém entender as extensões das nuvens, e os estalos da sua tenda?
Eis que estende sobre elas a sua luz, e encobre as profundezas do mar.
Porque por estas coisas julga os povos e lhes dá mantimento em abundância.
Com as nuvens encobre a luz, e ordena não brilhar, interpondo a nuvem.
O que nos dá a entender o seu pensamento, como também ao gado, acerca do temporal que sobe.
Jó 36:1-33

Ó Deus, nós ouvimos com os nossos ouvidos, e nossos pais nos têm contado a obra que fizeste em seus dias, nos tempos da antiguidade.
Como expulsaste os gentios com a tua mão e os plantaste a eles; como afligiste os povos e os derrubaste.
Pois não conquistaram a terra pela sua espada, nem o seu braço os salvou, mas a tua destra e o teu braço, e a luz da tua face, porquanto te agradaste deles.
Tu és o meu Rei, ó Deus; ordena salvações para Jacó.
Por ti venceremos os nossos inimigos; pelo teu nome pisaremos os que se levantam contra nós.
Pois eu não confiarei no meu arco, nem a minha espada me salvará.
Mas tu nos salvaste dos nossos inimigos, e confundiste os que nos odiavam.
Em Deus nos gloriamos todo o dia, e louvamos o teu nome eternamente. (Selá.)
Salmos 44:1-8

Lança fora o escarnecedor, e se irá a contenda; e acabará a questão e a vergonha.
O que ama a pureza de coração, e é amável de lábios, será amigo do rei.
Os olhos do Senhor conservam o conhecimento, mas as palavras do iníquo ele transtornará.
Provérbios 22:10-12

Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos;
Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.
Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto.
Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.
Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.
Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida.
2 Coríntios 4:1-12

 

29 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Quem é generoso será abençoado, pois reparte o seu pão com o pobre.” (Provérbios 22:9).  Como é bom saber que em nossa hora mais escura o Senhor lembrará das coisas que fizemos em segredo para os pobres e nos recompensará abertamente. (Mateus 6:4).

Jó dá um relato de seu coração para com os pobres como uma afirmação de sua genuina consistência perante Deus.  Ele considerava os seus servos como iguais porque acreditava: “Aquele que me fez no ventre materno não os fez também?” (Jó 31:15). Ele ministrou às necessidades da viúva e dos órfãos guiando a viúva e criando os órfãos como se fosse pai deles (v. 18).

Tiago considerava “religião pura” como sendo uma que “cuida dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades” (Tiago 1:27).  Daví observou, “Como é feliz aquele que se interessa pelo pobre!” (Salmo 41:1).

Ajudar pessoas necessitadas deve ser visto como uma oportunidade para Deus demonstrar o Seu amor atraves de você, em vez de um peso que devemos fazer.  Nossa preocupação pelos necessitados pode um dia retornar à nos em forma de benção!

Leitura diária

(Jó 31:1 – 33:33 | Salmo 43:1-5 Provérbios 22:8-9 | 2 Coríntios 3:1-18)

Fiz aliança com os meus olhos; como, pois, os fixaria numa virgem?
Que porção teria eu do Deus lá de cima, ou que herança do TodoPoderoso desde as alturas?
Porventura não é a perdição para o perverso, o desastre para os que praticam iniqüidade?
Ou não vê ele os meus caminhos, e não conta todos os meus passos?
Se andei com falsidade, e se o meu pé se apressou para o engano
(Pese-me em balanças fiéis, e saberá Deus a minha sinceridade),
Se os meus passos se desviaram do caminho, e se o meu coração segue os meus olhos, e se às minhas mãos se apegou qualquer coisa,
Então semeie eu e outro coma, e seja a minha descendência arrancada até à raiz.
Se o meu coração se deixou seduzir por uma mulher, ou se eu armei traições à porta do meu próximo,
Então moa minha mulher para outro, e outros se encurvem sobre ela,
Porque é uma infâmia, e é delito pertencente aos juízes.
Porque é fogo que consome até à perdição, e desarraigaria toda a minha renda.
Se desprezei o direito do meu servo ou da minha serva, quando eles contendiam comigo;
Então que faria eu quando Deus se levantasse? E, inquirindo a causa, que lhe responderia?
Aquele que me formou no ventre não o fez também a ele? Ou não nos formou do mesmo modo na madre?
Se retive o que os pobres desejavam, ou fiz desfalecer os olhos da viúva,
Ou se, sozinho comi o meu bocado, e o órfão não comeu dele
(Porque desde a minha mocidade cresceu comigo como com seu pai, e fui o guia da viúva desde o ventre de minha mãe),
Se alguém vi perecer por falta de roupa, e ao necessitado por não ter coberta,
Se os seus lombos não me abençoaram, se ele não se aquentava com as peles dos meus cordeiros,
Se eu levantei a minha mão contra o órfão, porquanto na porta via a minha ajuda,
Então caia do ombro a minha espádua, e separe-se o meu braço do osso.
Porque o castigo de Deus era para mim um assombro, e eu não podia suportar a sua grandeza.
Se no ouro pus a minha esperança, ou disse ao ouro fino: Tu és a minha confiança;
Se me alegrei de que era muita a minha riqueza, e de que a minha mão tinha alcançado muito;
Se olhei para o sol, quando resplandecia, ou para a lua, caminhando gloriosa,
E o meu coração se deixou enganar em oculto, e a minha boca beijou a minha mão,
Também isto seria delito à punição de juízes; pois assim negaria a Deus que está lá em cima.
Se me alegrei da desgraça do que me tem ódio, e se exultei quando o mal o atingiu
(Também não deixei pecar a minha boca, desejando a sua morte com maldição);
Se a gente da minha tenda não disse: Ah! quem nos dará da sua carne? Nunca nos fartaríamos dela.
O estrangeiro não passava a noite na rua; as minhas portas abria ao viandante.
Se, como Adão, encobri as minhas transgressões, ocultando o meu delito no meu seio;
Porque eu temia a grande multidão, e o desprezo das famílias me apavorava, e eu me calei, e não saí da porta;
Ah! quem me dera um que me ouvisse! Eis que o meu desejo é que o Todo-Poderoso me responda, e que o meu adversário escreva um livro.
Por certo que o levaria sobre o meu ombro, sobre mim o ataria por coroa.
O número dos meus passos lhe mostraria; como príncipe me chegaria a ele.
Se a minha terra clamar contra mim, e se os seus sulcos juntamente chorarem,
Se comi os seus frutos sem dinheiro, e sufoquei a alma dos seus donos,
Por trigo me produza cardos, e por cevada joio. Acabaram-se as palavras de Jó.
Jó 31:1-40

Então aqueles três homens cessaram de responder a Jó; porque era justo aos seus próprios olhos.
E acendeu-se a ira de Eliú, filho de Baraquel, o buzita, da família de Rão; contra Jó se acendeu a sua ira, porque se justificava a si mesmo, mais do que a Deus.
Também a sua ira se acendeu contra os seus três amigos, porque, não achando que responder, todavia condenavam a Jó.
Eliú, porém, esperou para falar a Jó, porquanto tinham mais idade do que ele.
Vendo, pois, Eliú que já não havia resposta na boca daqueles três homens, a sua ira se acendeu.
E respondeu Eliú, filho de Baraquel, o buzita, dizendo: Eu sou de menos idade, e vós sois idosos; receei-me e temi de vos declarar a minha opinião.
Dizia eu: Falem os dias, e a multidão dos anos ensine a sabedoria.
Na verdade, há um espírito no homem, e a inspiração do TodoPoderoso o faz entendido.
Os grandes não são os sábios, nem os velhos entendem o que é direito.
Assim digo: Dai-me ouvidos, e também eu declararei a minha opinião.
Eis que aguardei as vossas palavras, e dei ouvidos às vossas considerações, até que buscásseis razões.
Atentando, pois, para vós, eis que nenhum de vós há que possa convencer a Jó, nem que responda às suas razões;
Para que não digais: Achamos a sabedoria; Deus o derrubou, e não homem algum.
Ora ele não dirigiu contra mim palavra alguma, nem lhe responderei com as vossas palavras.
Estão pasmados, não respondem mais, faltam-lhes as palavras.
Esperei, pois, mas não falam; porque já pararam, e não respondem mais.
Também eu responderei pela minha parte; também eu declararei a minha opinião.
Porque estou cheio de palavras; o meu espírito me constrange.
Eis que dentro de mim sou como o mosto, sem respiradouro, prestes a arrebentar, como odres novos.
Falarei, para que ache alívio; abrirei os meus lábios, e responderei.
Que não faça eu acepção de pessoas, nem use de palavras lisonjeiras com o homem!
Porque não sei usar de lisonjas; em breve me levaria o meu Criador.
Jó 32:1-22

Assim, na verdade, ó Jó, ouve as minhas razões, e dá ouvidos a todas as minhas palavras.
Eis que já abri a minha boca; já falou a minha língua debaixo do meu paladar.
As minhas razões provam a sinceridade do meu coração, e os meus lábios proferem o puro saber.
O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida.
Se podes, responde-me, põe em ordem as tuas razões diante de mim, e apresenta-te.
Eis que vim de Deus, como tu; do barro também eu fui formado.
Eis que não te perturbará o meu terror, nem será pesada sobre ti a minha mão.
Na verdade tu falaste aos meus ouvidos; e eu ouvi a voz das tuas palavras. Dizias:
Limpo estou, sem transgressão; puro sou, e não tenho iniqüidade.
Eis que procura pretexto contra mim, e me considera como seu inimigo.
Põe no tronco os meus pés, e observa todas as minhas veredas.
Eis que nisso não tens razão; eu te respondo; porque maior é Deus do que o homem.
Por que razão contendes com ele, sendo que não responde acerca de todos os seus feitos?
Antes Deus fala uma e duas vezes; porém ninguém atenta para isso.
Em sonho ou em visão noturna, quando cai sono profundo sobre os homens, e adormecem na cama.
Então o revela ao ouvido dos homens, e lhes sela a sua instrução,
Para apartar o homem daquilo que faz, e esconder do homem a soberba.
Para desviar a sua alma da cova, e a sua vida de passar pela espada.
Também na sua cama é castigado com dores; e com incessante contenda nos seus ossos;
De modo que a sua vida abomina até o pão, e a sua alma a comida apetecível.
Desaparece a sua carne a olhos vistos, e os seus ossos, que não se viam, agora aparecem.
E a sua alma se vai chegando à cova, e a sua vida aos que trazem a morte.
Se com ele, pois, houver um mensageiro, um intérprete, um entre milhares, para declarar ao homem a sua retidão,
Então terá misericórdia dele, e lhe dirá: Livra-o, para que não desça à cova; já achei resgate.
Sua carne se reverdecerá mais do que era na mocidade, e tornará aos dias da sua juventude.
Deveras orará a Deus, o qual se agradará dele, e verá a sua face com júbilo, e restituirá ao homem a sua justiça.
Olhará para os homens, e dirá: Pequei, e perverti o direito, o que de nada me aproveitou.
Porém Deus livrou a minha alma de ir para a cova, e a minha vida verá a luz.
Eis que tudo isto é obra de Deus, duas e três vezes para com o homem,
Para desviar a sua alma da perdição, e o iluminar com a luz dos viventes.
Escuta, pois, ó Jó, ouve-me; cala-te, e eu falarei.
Se tens alguma coisa que dizer, responde-me; fala, porque desejo justificar-te.
Se não, escuta-me tu; cala-te, e ensinar-te-ei a sabedoria.
Jó 33:1-33

Faze-me justiça, ó Deus, e pleiteia a minha causa contra a nação ímpia. Livra-me do homem fraudulento e injusto.
Pois tu és o Deus da minha fortaleza; por que me rejeitas? Por que ando lamentando por causa da opressão do inimigo?
Envia a tua luz e a tua verdade, para que me guiem e me levem ao teu santo monte, e aos teus tabernáculos.
Então irei ao altar de Deus, a Deus, que é a minha grande alegria, e com harpa te louvarei, ó Deus, Deus meu.
Por que estás abatida, ó minha alma? E por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face e Deus meu.
Salmos 43:1-5

O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto.
O que vê com bons olhos será abençoado, porque dá do seu pão ao pobre.
Provérbios 22:8,9

Porventura começamos outra vez a louvar-nos a nós mesmos? Ou necessitamos, como alguns, de cartas de recomendação para vós, ou de recomendação de vós?
Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.
E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.
E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória,
Como não será de maior glória o ministério do Espírito?
Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça.
Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória.
Porque, se o que era transitório foi para glória, muito mais é em glória o que permanece.
Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar.
E não somos como Moisés, que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório.
Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido;
E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles.
Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará.
Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.
Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.
2 Coríntios 3:1-18

28 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Como tenho saudade dos meses que se passaram” (Jó 29:2).  Como é fácil durante uma provação olhar a vida através do espelho retrovisor!  Jó não conseguia esquecer dos tempos no passado de paz e prosperidade total quando tudo era azul e ele sentia a presença de Deus continuamente.

No entanto, tais reflexões do passado são destrutivas porque trazem um profundo sentimento de remorso e pesar em vez de esperança para o futuro.  Os filhos de Corá escreveram: “Quando me lembro dessas coisas, choro angustiado. Pois eu costumava ir com a multidão, conduzindo a procissão à casa de Deus” (Salmo 42:4).  O efeito deste olhar para tras o levou à depressão: “”Por que você está assim tão triste, ó minha alma?” (v. 5).

Paulo aprendeu não olhar ao passado, mas, em vez disso, considerar o futuro como sendo uma longa procissão “vitoriosa em Cristo” (2 Coríntios 2:14).  Você não pode reviver o passado; você apenas pode caminhar com Jesus rumo ao futuro.  Coloque o seu passado debaixo do sangue de Jesus.  Segure na mão Dele hoje e permita que esse relacionamento exale a fragrância de Cristo a um mundo que está assistindo e aguardando.

Leitura diária

(Jó 28:1 – 30:31 | Salmo 42:1-11 Provérbios 22:7 | 2 Coríntios 2:12-17)

Na verdade, há veios de onde se extrai a prata, e lugar onde se refina o ouro.
O ferro tira-se da terra, e da pedra se funde o cobre.
Ele põe fim às trevas, e toda a extremidade ele esquadrinha, a pedra da escuridão e a da sombra da morte.
Abre um poço de mina longe dos homens, em lugares esquecidos do pé; ficando pendentes longe dos homens, oscilam de um lado para outro.
Da terra procede o pão, mas por baixo é revolvida como por fogo.
As suas pedras são o lugar da safira, e tem pó de ouro.
Essa vereda a ave de rapina a ignora, e não a viram os olhos da gralha.
Nunca a pisaram filhos de animais altivos, nem o feroz leão passou por ela.
Ele estende a sua mão contra o rochedo, e revolve os montes desde as suas raízes.
Dos rochedos faz sair rios, e o seu olho vê tudo o que há de precioso.
Os rios tapa, e nem uma gota sai deles, e tira à luz o que estava escondido.
Porém onde se achará a sabedoria, e onde está o lugar da inteligência?
O homem não conhece o seu valor, e nem ela se acha na terra dos viventes.
O abismo diz: Não está em mim; e o mar diz: Ela não está comigo.
Não se dará por ela ouro fino, nem se pesará prata em troca dela.
Nem se pode comprar por ouro fino de Ofir, nem pelo precioso ônix, nem pela safira.
Com ela não se pode comparar o ouro nem o cristal; nem se trocará por jóia de ouro fino.
Não se fará menção de coral nem de pérolas; porque o valor da sabedoria é melhor que o dos rubis.
Não se lhe igualará o topázio da Etiópia, nem se pode avaliar por ouro puro.
Donde, pois, vem a sabedoria, e onde está o lugar da inteligência?
Pois está encoberta aos olhos de todo o vivente, e oculta às aves do céu.
A perdição e a morte dizem: Ouvimos com os nossos ouvidos a sua fama.
Deus entende o seu caminho, e ele sabe o seu lugar.
Porque ele vê as extremidades da terra; e vê tudo o que há debaixo dos céus.
Quando deu peso ao vento, e tomou a medida das águas;
Quando prescreveu leis para a chuva e caminho para o relâmpago dos trovões;
Então a viu e relatou; estabeleceu-a, e também a esquadrinhou.
E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e apartar-se do mal é a inteligência.
Jó 28:1-28

E prosseguiu Jó no seu discurso, dizendo:
Ah! quem me dera ser como eu fui nos meses passados, como nos dias em que Deus me guardava!
Quando fazia resplandecer a sua lâmpada sobre a minha cabeça e quando eu pela sua luz caminhava pelas trevas.
Como fui nos dias da minha mocidade, quando o segredo de Deus estava sobre a minha tenda;
Quando o Todo-Poderoso ainda estava comigo, e os meus filhos em redor de mim.
Quando lavava os meus passos na manteiga, e da rocha me corriam ribeiros de azeite;
Quando eu saía para a porta da cidade, e na rua fazia preparar a minha cadeira,
Os moços me viam, e se escondiam, e até os idosos se levantavam e se punham em pé;
Os príncipes continham as suas palavras, e punham a mão sobre a sua boca;
A voz dos nobres se calava, e a sua língua apegava-se ao seu paladar.
Ouvindo-me algum ouvido, me tinha por bem-aventurado; vendo-me algum olho, dava testemunho de mim;
Porque eu livrava o miserável, que clamava, como também o órfão que não tinha quem o socorresse.
A bênção do que ia perecendo vinha sobre mim, e eu fazia que rejubilasse o coração da viúva.
Vestia-me da justiça, e ela me servia de vestimenta; como manto e diadema era a minha justiça.
Eu me fazia de olhos para o cego, e de pés para o coxo.
Dos necessitados era pai, e as causas de que eu não tinha conhecimento inquiria com diligência.
E quebrava os queixos do perverso, e dos seus dentes tirava a presa.
E dizia: No meu ninho expirarei, e multiplicarei os meus dias como a areia.
A minha raiz se estendia junto às águas, e o orvalho permanecia sobre os meus ramos;
A minha honra se renovava em mim, e o meu arco se reforçava na minha mão.
Ouviam-me e esperavam, e em silêncio atendiam ao meu conselho.
Havendo eu falado, não replicavam, e minhas razões destilavam sobre eles;
Porque me esperavam, como à chuva; e abriam a sua boca, como à chuva tardia.
Se eu ria para eles, não o criam, e a luz do meu rosto não faziam abater;
Eu escolhia o seu caminho, assentava-me como chefe, e habitava como rei entre as suas tropas; como aquele que consola os que pranteiam.
Jó 29:1-25

Agora, porém, se riem de mim os de menos idade do que eu, cujos pais eu teria desdenhado de pôr com os cães do meu rebanho.
De que também me serviria a força das mãos daqueles, cujo vigor se tinha esgotado?
De míngua e fome se debilitaram; e recolhiam-se para os lugares secos, tenebrosos, assolados e desertos.
Apanhavam malvas junto aos arbustos, e o seu mantimento eram as raízes dos zimbros.
Do meio dos homens eram expulsos, e gritavam contra eles, como contra o ladrão;
Para habitarem nos barrancos dos vales, e nas cavernas da terra e das rochas.
Bramavam entre os arbustos, e ajuntavam-se debaixo das urtigas.
Eram filhos de doidos, e filhos de gente sem nome, e da terra foram expulsos.
Agora, porém, sou a sua canção, e lhes sirvo de provérbio.
Abominam-me, e fogem para longe de mim, e no meu rosto não se privam de cuspir.
Porque Deus desatou a sua corda, e me oprimiu, por isso sacudiram de si o freio perante o meu rosto.
À direita se levantam os moços; empurram os meus pés, e preparam contra mim os seus caminhos de destruição.
Desbaratam-me o caminho; promovem a minha miséria; contra eles não há ajudador.
Vêm contra mim como por uma grande brecha, e revolvem-se entre a assolação.
Sobrevieram-me pavores; como vento perseguem a minha honra, e como nuvem passou a minha felicidade.
E agora derrama-se em mim a minha alma; os dias da aflição se apoderaram de mim.
De noite se me traspassam os meus ossos, e os meus nervos não descansam.
Pela grandeza do meu mal está desfigurada a minha veste, que, como a gola da minha túnica, me cinge.
Lançou-me na lama, e fiquei semelhante ao pó e à cinza.
Clamo a ti, porém, tu não me respondes; estou em pé, porém, para mim não atentas.
Tornaste-te cruel contra mim; com a força da tua mão resistes violentamente.
Levantas-me sobre o vento, fazes-me cavalgar sobre ele, e derretes-me o ser.
Porque eu sei que me levarás à morte e à casa do ajuntamento determinada a todos os viventes.
Porém não estenderá a mão para o túmulo, ainda que eles clamem na sua destruição.
Porventura não chorei sobre aquele que estava aflito, ou não se angustiou a minha alma pelo necessitado?
Todavia aguardando eu o bem, então me veio o mal, esperando eu a luz, veio a escuridão.
As minhas entranhas fervem e não estão quietas; os dias da aflição me surpreendem.
Denegrido ando, porém não do sol; levantando-me na congregação, clamo por socorro.
Irmão me fiz dos chacais, e companheiro dos avestruzes.
Enegreceu-se a minha pele sobre mim, e os meus ossos estão queimados do calor.
A minha harpa se tornou em luto, e o meu órgão em voz dos que choram.
Jó 30:1-31

Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!
A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?
As minhas lágrimas servem-me de mantimento de dia e de noite, enquanto me dizem constantemente: Onde está o teu Deus?
Quando me lembro disto, dentro de mim derramo a minha alma; pois eu havia ido com a multidão. Fui com eles à casa de Deus, com voz de alegria e louvor, com a multidão que festejava.
Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação da sua face.
Ó meu Deus, dentro de mim a minha alma está abatida; por isso lembro-me de ti desde a terra do Jordão, e desde os hermonitas, desde o pequeno monte.
Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim.
Contudo o Senhor mandará a sua misericórdia de dia, e de noite a sua canção estará comigo, uma oração ao Deus da minha vida.
Direi a Deus, minha rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que ando lamentando por causa da opressão do inimigo?
Com ferida mortal em meus ossos me afrontam os meus adversários, quando todo dia me dizem: Onde está o teu Deus?
Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus.
Salmos 42:1-11

O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta.
Provérbios 22:7

Ora, quando cheguei a Trôade para pregar o evangelho de Cristo, e abrindo-se-me uma porta no Senhor,
Não tive descanso no meu espírito, porque não achei ali meu irmão Tito; mas, despedindo-me deles, parti para a macedônia.
E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento.
Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem.
Para estes certamente cheiro de morte para morte; mas para aqueles cheiro de vida para vida. E para estas coisas quem é idôneo?
Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus
2 Coríntios 2:12-17

 

27 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Por causa da minha integridade me susténs e me pões na tua presença para sempre” (Salmo 41:12).  As palavras de Daví nos mostram como é importante saber que a nossa consciência está limpa quando estamos atravessando provações!  Satanás, o acusador, é rápido para enviar os que nos cercam para questionar nossas motivações, carater e conduta.  O fato é que mesmo tendo todas estas três áreas puras, ainda assim, os ataques do inimigo cairão sobre você.

Mesmo com todas as acusações lançadas contra ele por seu amigos a consciência de Jó não vascilou. “Minha integridade não negarei jamais, até a morte.  Manterei minha retidão e nunca a deixarei; enquanto eu viver, a minha consciência não me repreenderá.” (Jó 27:5-6).

Paulo, também alvo de acusações, afirmou: “A nossa consciência dá testemunho de que nos temos conduzido no mundo, … com santidade e sinceridade provenientes de Deus” (2 Coríntios 1:12).  É claro que nenhum destes três homens estavam reivindicando perfeição, somente um coração sincero e puro perante Deus.

Nunca permita que o diabo difame sua consciência se você estiver caminhando em integridade.  Uma consciência fraca, ou uma consciência ferida destruirá você.  Levante-se contra o acusador e aguarde sua vindicação.

Leitura diária

(Jó 23:1 – 27:23 | Salmo 41:1-13 | Provérbios 22:5-6 | 2 Coríntios 1:12 – 2:11)

Respondeu, porém, Jó, dizendo:
Ainda hoje a minha queixa está em amargura; a minha mão pesa sobre meu gemido.
Ah, se eu soubesse onde o poderia achar! Então me chegaria ao seu tribunal.
Exporia ante ele a minha causa, e a minha boca encheria de argumentos.
Saberia as palavras com que ele me responderia, e entenderia o que me dissesse.
Porventura segundo a grandeza de seu poder contenderia comigo? Não: ele antes me atenderia.
Ali o reto pleitearia com ele, e eu me livraria para sempre do meu Juiz.
Eis que se me adianto, ali não está; se torno para trás, não o percebo.
Se opera à esquerda, não o vejo; se se encobre à direita, não o diviso.
Porém ele sabe o meu caminho; provando-me ele, sairei como o ouro.
Nas suas pisadas os meus pés se afirmaram; guardei o seu caminho, e não me desviei dele.
Do preceito de seus lábios nunca me apartei, e as palavras da sua boca guardei mais do que a minha porção.
Mas, se ele resolveu alguma coisa, quem então o desviará? O que a sua alma quiser, isso fará.
Porque cumprirá o que está ordenado a meu respeito, e muitas coisas como estas ainda tem consigo.
Por isso me perturbo perante ele, e quando isto considero, temo-me dele.
Porque Deus macerou o meu coração, e o Todo-Poderoso me perturbou.
Porquanto não fui desarraigado por causa das trevas, e nem encobriu o meu rosto com a escuridão.
Jó 23:1-17

Visto que do Todo-Poderoso não se encobriram os tempos, por que, os que o conhecem, não vêem os seus dias?
Até os limites removem; roubam os rebanhos, e os apascentam.
Do órfão levam o jumento; tomam em penhor o boi da viúva.
Desviam do caminho os necessitados; e os pobres da terra juntos se escondem.
Eis que, como jumentos monteses no deserto, saem à sua obra, madrugando para a presa; a campina dá mantimento a eles e aos seus filhos.
No campo segam o seu pasto, e vindimam a vinha do ímpio.
Ao nu fazem passar a noite sem roupa, não tendo ele coberta contra o frio.
Pelas chuvas das montanhas são molhados e, não tendo refúgio, abraçam-se com as rochas.
Ao orfãozinho arrancam dos peitos, e tomam o penhor do pobre.
Fazem com que os nus vão sem roupa e aos famintos tiram as espigas.
Dentro das suas paredes espremem o azeite; pisam os lagares, e ainda têm sede.
Desde as cidades gemem os homens, e a alma dos feridos exclama, e contudo Deus lho não imputa como loucura.
Eles estão entre os que se opõem à luz; não conhecem os seus caminhos, e não permanecem nas suas veredas.
De madrugada se levanta o homicida, mata o pobre e necessitado, e de noite é como o ladrão.
Assim como o olho do adúltero aguarda o crepúsculo, dizendo: Não me verá olho nenhum; e oculta o rosto,
Nas trevas minam as casas, que de dia se marcaram; não conhecem a luz.
Porque a manhã para todos eles é como sombra de morte; pois, sendo conhecidos, sentem os pavores da sombra da morte.
É ligeiro sobre a superfície das águas; maldita é a sua parte sobre a terra; não volta pelo caminho das vinhas.
A secura e o calor desfazem as águas da neve; assim desfará a sepultura aos que pecaram.
A madre se esquecerá dele, os vermes o comerão gostosamente; nunca mais haverá lembrança dele; e a iniqüidade se quebrará como uma árvore.
Aflige à estéril que não dá à luz, e à viúva não faz bem.
Até aos poderosos arrasta com a sua força; se ele se levanta, não há vida segura.
Se Deus lhes dá descanso, estribam-se nisso; seus olhos porém estão nos caminhos deles.
Por um pouco se exaltam, e logo desaparecem; são abatidos, encerrados como todos os demais; e cortados como as cabeças das espigas.
Se agora não é assim, quem me desmentirá e desfará as minhas razões?
Jó 24:1-25

Então respondeu Bildade, o suíta, e disse:
Com ele estão domínio e temor; ele faz paz nas suas alturas.
Porventura têm número as suas tropas? E sobre quem não se levanta a sua luz?
Como, pois, seria justo o homem para com Deus, e como seria puro aquele que nasce de mulher?
Eis que até a lua não resplandece, e as estrelas não são puras aos seus olhos.
E quanto menos o homem, que é um verme, e o filho do homem, que é um vermezinho!
Jó 25:1-6

Jó, porém, respondeu, dizendo:
Como ajudaste aquele que não tinha força, e sustentaste o braço que não tinha vigor?
Como aconselhaste aquele que não tinha sabedoria, e plenamente fizeste saber a causa, assim como era?
A quem proferiste palavras, e de quem é o espírito que saiu de ti?
Os mortos tremem debaixo das águas, com os seus moradores.
O inferno está nu perante ele, e não há coberta para a perdição.
O norte estende sobre o vazio; e suspende a terra sobre o nada.
Prende as águas nas suas nuvens, todavia a nuvem não se rasga debaixo delas.
Encobre a face do seu trono, e sobre ele estende a sua nuvem.
Marcou um limite sobre a superfície das águas em redor, até aos confins da luz e das trevas.
As colunas do céu tremem, e se espantam da sua ameaça.
Com a sua força fende o mar, e com o seu entendimento abate a soberba.
Pelo seu Espírito ornou os céus; a sua mão formou a serpente enroscadiça.
Eis que isto são apenas as orlas dos seus caminhos; e quão pouco é o que temos ouvido dele! Quem, pois, entenderia o trovão do seu poder?
Jó 26:1-14

E prosseguindo Jó em seu discurso, disse:
Vive Deus, que desviou a minha causa, e o Todo-Poderoso, que amargurou a minha alma.
Que, enquanto em mim houver alento, e o sopro de Deus nas minhas narinas,
Não falarão os meus lábios iniqüidade, nem a minha língua pronunciará engano.
Longe de mim que eu vos justifique; até que eu expire, nunca apartarei de mim a minha integridade.
À minha justiça me apegarei e não a largarei; não me reprovará o meu coração em toda a minha vida.
Seja como o ímpio o meu inimigo, e como o perverso o que se levantar contra mim.
Porque qual será a esperança do hipócrita, havendo sido avaro, quando Deus lhe arrancar a sua alma?
Porventura Deus ouvirá o seu clamor, sobrevindo-lhe a tribulação?
Deleitar-se-á no TodoPoderoso, ou invocará a Deus em todo o tempo?
Ensinar-vos-ei acerca da mão de Deus, e não vos encobrirei o que está com o Todo-Poderoso.
Eis que todos vós já o vistes; por que, pois, vos desvaneceis na vossa vaidade?
Esta, pois, é a porção do homem ímpio da parte de Deus, e a herança, que os tiranos receberão do Todo-Poderoso.
Se os seus filhos se multiplicarem, será para a espada, e a sua prole não se fartará de pão.
Os que ficarem dele na morte serão enterrados, e as suas viúvas não chorarão.
Se amontoar prata como pó, e aparelhar roupas como lodo,
Ele as aparelhará, porém o justo as vestirá, e o inocente repartirá a prata.
E edificará a sua casa como a traça, e como o guarda que faz a cabana.
Rico se deita, e não será recolhido; abre os seus olhos, e nada terá.
Pavores se apoderam dele como águas; de noite o arrebata a tempestade.
O vento oriental leva-o, e ele se vai, e varre-o com ímpeto do seu lugar.
E Deus lançará isto sobre ele, e não lhe poupará; irá fugindo da sua mão.
Cada um baterá palmas contra ele e assobiará tirando-o do seu lugar.
Jó 27:1-23

Bem-aventurado é aquele que atende ao pobre; o SENHOR o livrará no dia do mal.
O Senhor o livrará, e o conservará em vida; será abençoado na terra, e tu não o entregarás à vontade de seus inimigos.
O Senhor o sustentará no leito da enfermidade; tu o restaurarás da sua cama de doença.
Dizia eu: Senhor, tem piedade de mim; sara a minha alma, porque pequei contra ti.
Os meus inimigos falam mal de mim, dizendo: Quando morrerá ele, e perecerá o seu nome?
E, se algum deles vem me ver, fala coisas vãs; no seu coração amontoa a maldade; saindo para fora, é disso que fala.
Todos os que me odeiam murmuram à uma contra mim; contra mim imaginam o mal, dizendo:
Uma doença má se lhe tem apegado; e agora que está deitado, não se levantará mais.
Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar.
Porém tu, Senhor, tem piedade de mim, e levanta-me, para que eu lhes dê o pago.
Por isto conheço eu que tu me favoreces: que o meu inimigo não triunfa de mim.
Quanto a mim, tu me sustentas na minha sinceridade, e me puseste diante da tua face para sempre.
Bendito seja o Senhor Deus de Israel de século em século. Amém e Amém.
Salmos 41:1-13

Espinhos e laços há no caminho do perverso; o que guarda a sua alma retira-se para longe dele.
Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.
Provérbios 22:5,6

Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo, e de modo particular convosco.
Porque nenhumas outras coisas vos escrevemos, senão as que já sabeis ou também reconheceis; e espero que também até ao fim as reconhecereis.
Como também já em parte reconhecestes em nós, que somos a vossa glória, como também vós sereis a nossa no dia do Senhor Jesus.
E com esta confiança quis primeiro ir ter convosco, para que tivésseis uma segunda graça;
E por vós passar à macedônia, e da macedônia ir outra vez ter convosco, e ser guiado por vós à Judéia.
E, deliberando isto, usei porventura de leviandade? Ou o que delibero, o delibero segundo a carne, para que haja em mim sim, sim, e não, não?
Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra para convosco não foi sim e não.
Porque o Filho de Deus, Jesus Cristo, que entre vós foi pregado por nós, isto é, por mim, Silvano e Timóteo, não foi sim e não; mas nele houve sim.
Porque todas quantas promessas há de Deus, são nele sim, e por ele o Amém, para glória de Deus por nós.
Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus,
O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.
Invoco, porém, a Deus por testemunha sobre a minha alma, que para vos poupar não tenho até agora ido a Corinto;
Não que tenhamos domínio sobre a vossa fé, mas porque somos cooperadores de vosso gozo; porque pela fé estais em pé.
2 Coríntios 1:12-24

Mas deliberei isto comigo mesmo: não ir mais ter convosco em tristeza.
Porque, se eu vos entristeço, quem é que me alegrará, senão aquele que por mim foi contristado?
E escrevi-vos isto mesmo, para que, quando lá for, não tenha tristeza da parte dos que deveriam alegrar-me; confiando em vós todos, que a minha alegria é a de todos vós.
Porque em muita tribulação e angústia do coração vos escrevi, com muitas lágrimas, não para que vos entristecêsseis, mas para que conhecêsseis o amor que abundantemente vos tenho.
Porque, se alguém me contristou, não me contristou a mim senão em parte, para vos não sobrecarregar a vós todos.
Basta-lhe ao tal esta repreensão feita por muitos.
De maneira que pelo contrário deveis antes perdoar-lhe e consolá-lo, para que o tal não seja de modo algum devorado de demasiada tristeza.
Por isso vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor.
E para isso vos escrevi também, para por esta prova saber se sois obedientes em tudo.
E a quem perdoardes alguma coisa, também eu; porque, o que eu também perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo; para que não sejamos vencidos por Satanás;
Porque não ignoramos os seus ardís.
2 Coríntios 2:1-11

 

26 de Agosto

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

“Incontáveis problemas me cercam” (Salmo 40:12).  Daví chegou ao ponto onde seus problemas eram “mais numerosos que os cabelos de sua cabeça”!  Paulo se encontrou em uma posição similar nas batalhas que enfrentava na Ásia: “foram muito além da nossa capacidade de suportar, a ponto de perdermos a esperança da própria vida” (2 Coríntios 1:8).

No meio deste tipo de pressão, Paulo descobriu um segredo que o sustentava.  Ele descobriu  o “Deus de toda consolação, que nos consola em todas as nossas tribulações” (2 Coríntios 1:3-4).

O resultado do consolo que recebemos é que “com a consolação que recebemos de Deus, possamos consolar os que estão passando por tribulações” (2 Coríntios 1:4).  Quando Ele nos conforta, há um efeito duplo: nos confiamos mais Nele, e outros aprendem com a nossa libertação.  Nunca podemos identificarmos totalmente com outros até passarmos pelo caminho deles, e Deus usará tais tribulações para servir como testemunho!

Levante sua cabeça e permita que o Deus de toda consolação ministre a você agora mesmo!  Então “muitos darão graças” (2 Coríntios 1:11) pelo favor concedido a você e Deus será glorificado!

Leitura diária

(Jó 20:1 – 22:30 | Salmos 40:11-17 | Provérbios 22:2-4 | 2 Coríntios 1:1-11)

Então respondeu Zofar, o naamatita, e disse:
Visto que os meus pensamentos me fazem responder, eu me apresso.
Eu ouvi a repreensão, que me envergonha, mas o espírito do meu entendimento responderá por mim.
Porventura não sabes tu que desde a antiguidade, desde que o homem foi posto sobre a terra,
O júbilo dos ímpios é breve, e a alegria dos hipócritas momentânea?
Ainda que a sua altivez suba até ao céu, e a sua cabeça chegue até às nuvens.
Contudo, como o seu próprio esterco, perecerá para sempre; e os que o viam dirão: Onde está?
Como um sonho voará, e não será achado, e será afugentado como uma visão da noite.
O olho, que já o viu, jamais o verá, nem o seu lugar o verá mais.
Os seus filhos procurarão agradar aos pobres, e as suas mãos restituirão os seus bens.
Os seus ossos estão cheios do vigor da sua mocidade, mas este se deitará com ele no pó.
Ainda que o mal lhe seja doce na boca, e ele o esconda debaixo da sua língua,
E o guarde, e não o deixe, antes o retenha no seu paladar,
Contudo a sua comida se mudará nas suas entranhas; fel de áspides será interiormente.
Engoliu riquezas, porém vomitá-las-á; do seu ventre Deus as lançará.
Veneno de áspides sorverá; língua de víbora o matará.
Não verá as correntes, os rios e os ribeiros de mel e manteiga.
Restituirá o seu trabalho, e não o engolirá; conforme ao poder de sua mudança, e não saltará de gozo.
Porquanto oprimiu e desamparou os pobres, e roubou a casa que não edificou.
Porquanto não sentiu sossego no seu ventre; nada salvará das coisas por ele desejadas.
Nada lhe sobejará do que coma; por isso as suas riquezas não durarão.
Sendo plena a sua abastança, estará angustiado; toda a força da miséria virá sobre ele.
Mesmo estando ele a encher a sua barriga, Deus mandará sobre ele o ardor da sua ira, e a fará chover sobre ele quando for comer.
Ainda que fuja das armas de ferro, o arco de bronze o atravessará.
Desembainhará a espada que sairá do seu corpo, e resplandecendo virá do seu fel; e haverá sobre ele assombros.
Toda a escuridão se ocultará nos seus esconderijos; um fogo não assoprado o consumirá, irá mal com o que ficar na sua tenda.
Os céus manifestarão a sua iniqüidade; e a terra se levantará contra ele.
As riquezas de sua casa serão transportadas; no dia da sua ira todas se derramarão.
Esta, da parte de Deus, é a porção do homem ímpio; esta é a herança que Deus lhe decretou.
Jó 20:1-29

Respondeu, porém, Jó, dizendo:
Ouvi atentamente as minhas razões; e isto vos sirva de consolação.
Sofrei-me, e eu falarei; e havendo eu falado, zombai.
Porventura eu me queixo de algum homem? Porém, ainda que assim fosse, por que não se angustiaria o meu espírito?
Olhai para mim, e pasmai; e ponde a mão sobre a boca.
Porque, quando me lembro disto me perturbo, e a minha carne é sobressaltada de horror.
Por que razão vivem os ímpios, envelhecem, e ainda se robustecem em poder?
A sua descendência se estabelece com eles perante a sua face; e os seus renovos perante os seus olhos.
As suas casas têm paz, sem temor; e a vara de Deus não está sobre eles.
O seu touro gera, e não falha; pare a sua vaca, e não aborta.
Fazem sair as suas crianças, como a um rebanho, e seus filhos andam saltando.
Levantam a voz, ao som do tamboril e da harpa, e alegram-se ao som do órgão.
Na prosperidade gastam os seus dias, e num momento descem à sepultura.
E, todavia, dizem a Deus: Retira-te de nós; porque não desejamos ter conhecimento dos teus caminhos.
Quem é o Todo-Poderoso, para que nós o sirvamos? E que nos aproveitará que lhe façamos orações?
Vede, porém, que a prosperidade não está nas mãos deles; esteja longe de mim o conselho dos ímpios!
Quantas vezes sucede que se apaga a lâmpada dos ímpios, e lhes sobrevém a sua destruição? E Deus na sua ira lhes reparte dores!
Porque são como a palha diante do vento, e como a pragana, que arrebata o redemoinho.
Deus guarda a sua violência para seus filhos, e dá-lhe o pago, para que o conheça.
Seus olhos verão a sua ruína, e ele beberá do furor do Todo-Poderoso.
Por que, que prazer teria na sua casa, depois de morto, cortando-se-lhe o número dos seus meses?
Porventura a Deus se ensinaria ciência, a ele que julga os excelsos?
Um morre na força da sua plenitude, estando inteiramente sossegado e tranqüilo.
Com seus baldes cheios de leite, e a medula dos seus ossos umedecida.
E outro, ao contrário, morre na amargura do seu coração, não havendo provado do bem.
Juntamente jazem no pó, e os vermes os cobrem.
Eis que conheço bem os vossos pensamentos; e os maus intentos com que injustamente me fazeis violência.
Porque direis: Onde está a casa do príncipe, e onde a tenda em que moravam os ímpios?
Porventura não perguntastes aos que passam pelo caminho, e não conheceis os seus sinais,
Que o mau é preservado para o dia da destruição; e arrebatado no dia do furor?
Quem acusará diante dele o seu caminho, e quem lhe dará o pago do que faz?
Finalmente é levado à sepultura, e vigiam-lhe o túmulo.
Os torrões do vale lhe são doces, e o seguirão todos os homens; e adiante dele foram inumeráveis.
Como, pois, me consolais com vaidade? Pois nas vossas respostas ainda resta a transgressão.
Jó 21:1-34

Então respondeu Elifaz, o temanita, dizendo:
Porventura será o homem de algum proveito a Deus? Antes a si mesmo o prudente será proveitoso.
Ou tem o Todo-Poderoso prazer em que tu sejas justo, ou algum lucro em que tu faças perfeitos os teus caminhos?
Ou te repreende, pelo temor que tem de ti, ou entra contigo em juízo?
Porventura não é grande a tua malícia, e sem termo as tuas iniqüidades?
Porque sem causa penhoraste a teus irmãos, e aos nus despojaste as vestes.
Não deste ao cansado água a beber, e ao faminto retiveste o pão.
Mas para o poderoso era a terra, e o homem tido em respeito habitava nela.
As viúvas despediste vazias, e os braços dos órfãos foram quebrados.
Por isso é que estás cercado de laços, e te perturba um pavor repentino,
Ou trevas em que nada vês, e a abundância de águas que te cobre.
Porventura Deus não está na altura dos céus? Olha para a altura das estrelas; quão elevadas estão.
E dizes: que sabe Deus? Porventura julgará ele através da escuridão?
As nuvens são esconderijo para ele, para que não veja; e passeia pelo circuito dos céus.
Porventura queres guardar a vereda antiga, que pisaram os homens iníquos?
Eles foram arrebatados antes do seu tempo; sobre o seu fundamento um dilúvio se derramou.
Diziam a Deus: Retira-te de nós. E: Que foi que o Todo-Poderoso nos fez?
Contudo ele encheu de bens as suas casas; mas o conselho dos ímpios esteja longe de mim.
Os justos o vêem, e se alegram, e o inocente escarnece deles.
Porquanto o nosso adversário não foi destruído, mas o fogo consumiu o que restou deles.
Apega-te, pois, a ele, e tem paz, e assim te sobrevirá o bem.
Aceita, peço-te, a lei da sua boca, e põe as suas palavras no teu coração.
Se te voltares ao Todo-Poderoso, serás edificado; se afastares a iniqüidade da tua tenda,
E deitares o teu tesouro no pó, e o ouro de Ofir nas pedras dos ribeiros,
Então o Todo-Poderoso será o teu tesouro, e a tua prata acumulada.
Porque então te deleitarás no Todo-Poderoso, e levantarás o teu rosto para Deus.
Orarás a ele, e ele te ouvirá, e pagarás os teus votos.
Determinarás tu algum negócio, e ser-te-á firme, e a luz brilhará em teus caminhos.
Quando te abaterem, então tu dirás: Haja exaltação! E Deus salvará ao humilde.
E livrará até ao que não é inocente; porque será libertado pela pureza de tuas mãos.
Jó 22:1-30

Não retires de mim, Senhor, as tuas misericórdias; guardem-me continuamente a tua benignidade e a tua verdade.
Porque males sem número me têm rodeado; as minhas iniqüidades me prenderam de modo que não posso olhar para cima. São mais numerosas do que os cabelos da minha cabeça; assim desfalece o meu coração.
Digna-te, Senhor, livrar-me: Senhor, apressa-te em meu auxílio.
Sejam à uma confundidos e envergonhados os que buscam a minha vida para destruí-la; tornem atrás e confundam-se os que me querem mal.
Desolados sejam em pago da sua afronta os que me dizem: Ah! Ah!
Folguem e alegrem-se em ti os que te buscam; digam constantemente os que amam a tua salvação: Magnificado seja o Senhor.
Mas eu sou pobre e necessitado; contudo o Senhor cuida de mim. Tu és o meu auxílio e o meu libertador; não te detenhas, ó meu Deus.
Salmos 40:11-17

O rico e o pobre se encontram; a todos o Senhor os fez.
O prudente prevê o mal, e esconde-se; mas os simples passam e acabam pagando.
O galardão da humildade e o temor do Senhor são riquezas, honra e vida.
Provérbios 22:2-4

Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus, que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia.
Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo.
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação;
Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus.
Porque, como as aflições de Cristo são abundantes em nós, assim também é abundante a nossa consolação por meio de Cristo.
Mas, se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação; ou, se somos consolados, para vossa consolação é, a qual se opera suportando com paciência as mesmas aflições que nós também padecemos;
E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação.
Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia, pois que fomos sobremaneira agravados mais do que podíamos suportar, de modo tal que até da vida desesperamos.
Mas já em nós mesmos tínha- mos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos;
O qual nos livrou de tão grande morte, e livra; em quem esperamos que também nos livrará ainda,
Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que pela mercê, que por muitas pessoas nos foi feita, por muitas também sejam dadas graças a nosso respeito.
2 Coríntios 1:1-11