28 de maio

28 de maio

DEVOCIONAL DO PR. LARRY STOCKSTILL

Satanás é mestre em pendurar o pecado diante de nossos olhos e fazê-lo parecer incrivelmente atraente.  Depois, após estender nossa mão e agarrá-lo, a realidade do pecado é um desapontamento miserável.  Com quanto rapidez nossos olhos desprezam aquilo que conseguimos através da luxuria!

Amnon há muito tempo fantasiava ter relações com sua meia irmã Tamar (2 Samuel 13.2).  Satanás nos apresenta uma imagem do pecado que parece um oásis no deserto.  Ele faz parecer como se um desejo cumprido trará a felicidade final.  No caso de Amnon, no entanto, o momento em que o pecado se consumiu, o doce sabor virou amargo.   Amnon sentiu aversão pelo que tinha conquistado (v. 15).

Em qualquer tentação, vamos pedir que Deus nos mostre a realidade da decepção que o pecado trará.  Qualquer passo que tomamos por causa de luxuria voltará para nos confrontar e nos levará a ainda mais pecado.  Precisamos afastar qualquer fantasia em nossa mente e ver o que está por trás disso:  raiva, desrespeito, até morte.  “Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte” (Provérbios 14.12).  Não caia na isca de Satanás!

Leitura diária

(2 Samuel 13.1-39 | Salmo 119.81-96 | Provérbios 16.6-7 | João 17.1-26)

1 Depois de algum tempo, Amnom, filho de Davi, apaixonou-se por Tamar; ela era muito bonita e era irmã de Absalão, outro filho de Davi.
2 Amnom ficou angustiado a ponto de adoecer por causa de sua meio-irmã Tamar, pois ela era virgem, e parecia-lhe impossível aproximar-se dela.
3 Amnom tinha um amigo muito astuto chamado Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi.
4 Ele perguntou a Amnom: “Filho do rei, por que todo dia você está abatido? Quer me contar o que se passa? ” Amnom lhe disse: “Estou apaixonado por Tamar, irmã de meu irmão Absalão”.
5 Então disse Jonadabe: “Vá para a cama e finja estar doente”. “Quando seu pai vier visitá-lo, diga-lhe: Permite que minha irmã Tamar venha dar-me de comer. Gostaria que ela preparasse a comida aqui mesmo e me servisse. Assim poderei vê-la. ”
6 Amnom atendeu e deitou-se na cama, fingindo-se doente. Quando o rei foi visitá-lo, Amnom lhe disse: “Eu gostaria que minha irmã Tamar viesse e preparasse dois bolos aqui mesmo e me servisse”.
7 Davi mandou dizer a Tamar no palácio: “Vá à casa de seu irmão Amnom e prepare algo para ele comer”.
8 Assim, Tamar foi à casa de seu irmão, que estava deitado. Ela amassou a farinha, preparou os bolos na presença dele e os assou.
9 Depois pegou a assadeira e lhe serviu os bolos, mas ele não quis comer. Então Amnom deu ordem para que todos saíssem; depois que todos saíram,
10 Amnom disse a Tamar: “Traga os bolos e sirva-me aqui no meu quarto”. Tamar levou os bolos que havia preparado ao quarto de seu irmão.
11 Mas quando ela se aproximou para servi-lo, ele a agarrou e disse: “Deite-se comigo, minha irmã”.
12 Mas ela lhe disse: “Não, meu irmão! Não me faça essa violência. Não se faz uma coisa dessas em Israel! Não cometa essa loucura.
13 O que seria de mim? Como eu poderia livrar-me da minha desonra? E o que seria de você? Você cairia em desgraça em Israel. Fale com o rei; ele deixará que eu me case com você”.
14 Mas Amnom não quis ouvir e, sendo mais forte que ela, violentou-a.
15 Logo depois Amnom sentiu uma forte aversão por ela, mais forte que a paixão que sentira. E disse a ela: “Levante-se e saia! ”
16 Mas ela lhe disse: “Não, meu irmão, mandar-me embora seria pior do que o mal que você já me fez”. Ele, porém, não quis ouvi-la
17 e chamando seu servo, disse-lhe: “Ponha esta mulher para fora daqui e tranque a porta”.
18 Então o servo a pôs para fora e trancou a porta. Ela estava vestindo uma túnica longa, pois esse era o tipo de roupa que as filhas virgens do rei usavam desde a puberdade.
19 Tamar pôs cinza na cabeça, rasgou a túnica longa que estava usando e se pôs a caminho, com as mãos sobre a cabeça e chorando em alta voz.
20 Absalão, seu irmão, lhe perguntou: “Seu irmão, Amnom, lhe fez algum mal? Agora, acalme-se, minha irmã; ele é seu irmão! Não se deixe dominar pela angústia”. E Tamar, muito triste, ficou na casa de seu irmão Absalão.
21 Ao saber de tudo isso, o rei Davi ficou furioso.
22 E Absalão não falou nada com Amnom, nem bem, nem mal, embora o odiasse por ter violentado sua irmã Tamar.
23 Dois anos depois, quando os tosquiadores de ovelhas de Absalão estavam em Baal-Hazor, perto da fronteira de Efraim, Absalão convidou todos os filhos do rei para se reunirem com ele.
24 Absalão foi ao rei e lhe disse: “Eu, teu servo, estou tosquiando as ovelhas e gostaria que o rei e os seus conselheiros estivessem comigo”.
25 Respondeu o rei: “Não, meu filho. Não iremos todos, pois isso seria um peso para você”. Embora Absalão insistisse, ele se recusou a ir, mas o abençoou.
26 Então Absalão lhe disse: “Se não queres ir, permite, por favor, que o meu irmão Amnom vá conosco”. O rei perguntou: “Mas, por que ele iria com você? ”
27 Mas Absalão insistiu tanto que o rei acabou deixando que Amnom e os seus outros filhos fossem com ele.
28 Absalão ordenou aos seus homens: “Ouçam! Quando Amnom estiver embriagado de vinho e eu disser: ‘Matem Amnom! ’, vocês o matarão. Não tenham medo; eu assumo a responsabilidade. Sejam fortes e corajosos! ”
29 Assim os homens de Absalão mataram Amnom, obedecendo às suas ordens. Então todos os filhos do rei montaram em suas mulas e fugiram.
30 Estando eles ainda a caminho, chegou a seguinte notícia ao rei: “Absalão matou todos os teus filhos; nenhum deles escapou”.
31 O rei levantou-se, rasgou as suas vestes, prostrou-se, e todos os conselheiros que estavam com ele também rasgaram as vestes.
32 Mas, Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi, disse: “Não pense o meu senhor que mataram todos os teus filhos. Somente Amnom foi morto. Essa era a intenção de Absalão desde o dia em que Amnom violentou Tamar, irmã dele.
33 O rei, meu senhor, não deve acreditar que todos os seus filhos estão mortos. Apenas Amnom morreu”.
34 Enquanto isso, Absalão fugiu. Nesse meio tempo o sentinela viu muita gente que vinha pela estrada de Horonaim, descendo pela encosta da colina, e disse ao rei: “Vejo homens vindo pela estrada de Horonaim, na encosta da colina”.
35 E Jonadabe disse ao rei: “São os filhos do rei! Aconteceu como o teu servo disse”.
36 Acabando de falar, os filhos do rei chegaram, chorando em alta voz. Também o rei e todos os seus conselheiros choraram muito.
37 Absalão fugiu para o território de Talmai, filho de Amiúde, rei de Gesur. E o rei Davi pranteava por seu filho todos os dias.
38 Depois que Absalão fugiu para Gesur, e lá permaneceu três anos,
39 a ira do rei contra Absalão cessou, pois ele se sentia consolado da morte de Amnom.
2 Samuel 13.1-39

81 Estou quase desfalecido, aguardando a tua salvação, mas na tua palavra coloquei a esperança.
82 Os meus olhos fraquejam de tanto esperar pela tua promessa, e pergunto: “Quando me consolarás? ”
83 Embora eu seja como uma vasilha inútil, não me esqueço dos teus decretos.
84 Até quando o teu servo deverá esperar para que castigues os meus perseguidores?
85 Cavaram uma armadilha contra mim os arrogantes, os que não seguem a tua lei.
86 Todos os teus mandamentos merecem confiança; ajuda-me, pois sou perseguido com mentiras.
87 Quase acabaram com a minha vida na terra, mas não abandonei os teus preceitos.
88 Preserva a minha vida pelo teu amor, e obedecerei aos estatutos que decretaste.
89 A tua palavra, Senhor, para sempre está firmada nos céus.
90 A tua fidelidade é constante por todas as gerações; estabeleceste a terra, que firme subsiste.
91 Conforme as tuas ordens, tudo permanece até hoje, pois não há nada que não esteja a teu serviço.
92 Se a tua lei não fosse o meu prazer, o sofrimento já me teria destruído.
93 Jamais me esquecerei dos teus preceitos, pois é por meio deles que preservas a minha vida.
94 Salva-me, pois a ti pertenço e busco os teus preceitos!
95 Os ímpios estão à espera para destruir-me, mas eu considero os teus testemunhos.
96 Tenho constatado que toda perfeição tem limite; mas não há limite para o teu mandamento.
Salmo 119.81-96

6 Com amor e fidelidade se faz expiação pelo pecado; com o temor do Senhor o homem evita o mal.
7 Quando os caminhos de um homem são agradáveis ao Senhor, ele faz que até os seus inimigos vivam em paz com ele.
Provérbios 16.6-7

1 Depois de dizer isso, Jesus olhou para o céu e orou: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique.
2 Pois lhe deste autoridade sobre toda a humanidade, para que conceda a vida eterna a todos os que lhe deste.
3 Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
4 Eu te glorifiquei na terra, completando a obra que me deste para fazer.
5 E agora, Pai, glorifica-me junto a ti, com a glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse.
6 “Eu revelei teu nome àqueles que do mundo me deste. Eles eram teus; tu os deste a mim, e eles têm guardado a tua palavra.
7 Agora eles sabem que tudo o que me deste vem de ti.
8 Pois eu lhes transmiti as palavras que me deste, e eles as aceitaram. Eles reconheceram de fato que vim de ti e creram que me enviaste.
9 Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus.
10 Tudo o que tenho é teu, e tudo o que tens é meu. E eu tenho sido glorificado por meio deles.
11 Não ficarei mais no mundo, mas eles ainda estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, protege-os em teu nome, o nome que me deste, para que sejam um, assim como somos um.
12 Enquanto estava com eles, eu os protegi e os guardei pelo nome que me deste. Nenhum deles se perdeu, a não ser aquele que estava destinado à perdição, para que se cumprisse a Escritura.
13 “Agora vou para ti, mas digo estas coisas enquanto ainda estou no mundo, para que eles tenham a plenitude da minha alegria.
14 Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou.
15 Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno.
16 Eles não são do mundo, como eu também não sou.
17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.
18 Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo.
19 Em favor deles eu me santifico, para que também eles sejam santificados pela verdade.
20 “Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles,
21 para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
22 Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um:
23 eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.
24 “Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estou e vejam a minha glória, a glória que me deste porque me amaste antes da criação do mundo.
25 “Pai justo, embora o mundo não te conheça, eu te conheço, e estes sabem que me enviaste.
26 Eu os fiz conhecer o teu nome, e continuarei a fazê-lo, a fim de que o amor que tens por mim esteja neles, e eu neles esteja”.
João 17.1-26

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *